Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/04/2006 - 09h38

Boato sobre crime assusta pais no Rio

Publicidade

ANTÔNIO GOIS
da Folha de S.Paulo, no Rio de Janeiro

A história é absurda. Inverossímil. Mas está levando pais da região metropolitana do Rio a um clima de paranóia urbana. Criminosos dirigindo uma Kombi estariam seqüestrando crianças para retirar seus órgãos e vendê-los. Os corpos seriam devolvidos aos pais com um bilhete dizendo "mãe, seu filho não sofreu", junto com algum dinheiro para ajudar nas despesas do enterro.

A Polícia Civil negou o desaparecimento de crianças nessas circunstâncias. Segundo o Instituto Médico Legal, não há registro de corpos nessas condições.

"É uma paranóia. Mesmo pais mais esclarecidos estão acreditando nisso e levando seus filhos à escola. Tivemos que avisar a todas as diretoras da rede que tudo não passava de um boato absurdo", diz a secretária de Educação de Nilópolis (Baixada Fluminense), Eva Maria Melo Vasconcelos.

Os boatos variam de bairro para bairro, mas seguem o mesmo roteiro: um grupo numa Kombi que seqüestra as crianças a caminho da escola. Há até quem garanta conhecer alguém que já viu crianças mortas com os corpos cortados. Os casos, no entanto, nunca são registrados nas delegacias, e nenhuma família reclama do desaparecimento de crianças.

Em Nova Iguaçu, na Baixada, pais de um conjunto habitacional pediram ajuda a traficantes, que estão escoltando as crianças até a escola e jurando de morte os tais criminosos da Kombi. "Aqui tá todo mundo com medo, mas eles [os traficantes] vigiam na porta da escola", diz uma moradora.

No Cachambi (zona norte), foram afixados cartazes sem assinatura em postes alertando sobre o "sumiço de várias crianças". Ontem de manhã, na entrada de uma escola municipal do bairro, a maioria dos pais ouvidos pela Folha disse acreditar na história.

"Não é boato, não. Estão chamando isso de lenda urbana, mas uma vizinha minha viu os corpos de duas crianças. O caso só não virou notícia porque eram filhos de pobre", diz Rejane Souza, 28. Na dúvida, Darlene Silva, 34, redobrou a atenção com o filho. "Sempre o levei para a escola, mas ele voltava sozinho. Pedi a meu marido que o pegasse na saída."

A origem do boato ainda é desconhecida. Uma hipótese é que motoristas de vans espalharam a notícia para prejudicar Kombis que fazem transporte escolar.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre transplante de órgão
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página