Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
09/03/2007 - 10h38

Legacy operava normalmente quando bateu em Boeing, conclui comissão

Publicidade

da Folha Online

Reportagem da colunista Eliane Cantanhêde, da Folha de S.Paulo, publicada na edição desta sexta-feira, afirma que a comissão aeronáutica que apura a queda do Boeing da Gol ocorrida em 2006 concluiu que o transponder, o TCAS (sistema anti-colisão) e o rádio do Legacy que bateu na aeronave, provocando sua queda, "funcionavam normalmente e não sofreram nenhuma pane" naquele dia.

O transponder aciona o TCAS (sistema anti-colisão), que avisa os pilotos, visual e sonoramente, em caso de aproximação perigosa de qualquer objeto.

Segundo a reportagem, a conclusão reforça a tese de que houve uma falha humana. Os equipamentos do Legacy, da empresa americana ExcelAire, foram testados nas instalações da Honeywell --fabricante do transponder--, e da ACSS --que produziu o TCAS--, nos Estados Unidos, com acompanhamento de investigadores e técnicos brasileiros e norte-americanos.

"Descartada a falha nos aparelhos, restam duas hipóteses para que o transponder estivesse inoperante durante o vôo: ou foi desligado, de propósito ou inadvertidamente, ou houve alguma falha de instalação no Legacy, que saía da fábrica, a Embraer, e fazia seu primeiro vôo", diz o texto. O caso continua sob investigação.

A queda do Boeing, que fazia o vôo 1907, causou a morte dos 154 ocupantes do avião. É o maior acidente aéreo do país.

Leia mais
  • Famílias de vítimas do vôo 1907 fazem ato em Brasília
  • Comitiva de Bush interdita importantes vias de São Paulo
  • Confira a programação de Bush hoje em São Paulo
  • Justiça manda transferir advogada de Marcola para prisão domiciliar

    Especial
  • Transponder do Legacy não tinha defeito (exclusivo para assinantes)
  • Leia o que já foi publicado sobre o vôo 1907
  • Leia o que já foi publicado sobre acidentes aéreos
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página