Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/03/2007 - 18h09

Governo cria gabinete para avaliar crise aérea semanalmente

Publicidade

da Folha Online

O governo anunciou nesta quinta-feira a criação de um gabinete especial para avaliar semanalmente a crise no setor aéreo. O órgão será gerido por altos dirigentes dos principais órgãos envolvidos na gestão do tráfego aéreo e funcionará no Ministério da Defesa, em Brasília.

"Não permitiremos que esses problemas [atrasos e filas nos aeroportos] continuem. É uma obsessão do presidente Lula e deste governo", disse o ministro da Defesa, Waldir Pires, que vai integrar o gabinete.

Além dele, integram o grupo o presidente da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), Milton Zuanazzi e o presidente da Infraero --estatal que administra os aeroportos do país--, brigadeiro José Carlos Pereira. Os representantes da Aeronáutica serão o major-brigadeiro-do-ar Jorge Godinho, vice-diretor do Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo), e o major-brigadeiro-do-ar Ramon.

A criação do gabinete é uma resposta do governo à nova crise no setor, que começou no domingo (18), devido ao mau tempo e a falhas no sistema. Na segunda, pior dia da crise, os atrasos foram agravados por uma nova pane e até por um cachorro que invadiu a pista de Congonhas.

Na tarde desta quinta, o número de vôos com atrasos superiores a uma hora caiu para 7,4%, segundo balanço da Infraero (Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária). O número se refere a 90 dos 1.210 vôos previstos para ocorrer da 0h às 16h40.

A imagem de Waldir Pires ficou desgastada no governo por não conseguir evitar uma nova crise no controle do tráfego aéreo do país. É possível que ele ainda seja substituído com a reforma ministerial --com isso, deixaria de integrar o gabinete.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre atrasos em aeroportos
  • Confira o índice UV
  • Leia sobre o tempo na Folha Online
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página