Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
15/01/2001 - 17h38

Justiceiro esperava ser morto na cadeia

Publicidade

FÁBIO GUIBU
da Agência Folha, em Recife

Personagem do filme "O Rap do Pequeno Príncipe contra as Almas Sebosas" ao lado do preso Helinho, o músico José Alexandre Santos, 29, o "Garnizé", disse que o "justiceiro" já esperava ser assassinado na cadeia.

"Ele dizia que o inferno não era embaixo da terra, mas no presídio", afirmou o músico, que é baterista do grupo pernambucano de rap Faces do Subúrbio.

Garnizé conviveu na infância com a mesma miséria de Helinho, na periferia de Camaragibe, região metropolitana de Recife.

"Mas seguimos caminhos diferentes e agora ele sentiu na pele o que fez com os outros", afirmou.

"Helinho dizia que limpava a cidade das almas sebosas e esquecia que os bandidos também eram gente", disse. "No começo, ele matava por dinheiro. Depois, acho que a fama de justiceiro ficou mais forte."

O músico disse que ficou "abalado" e "triste" com a notícia da morte do preso, mas acha que o maior culpado pelo crime foi o próprio Helinho. "Matador nunca é bem-vindo entre os presos na cadeia."

Para Garnizé, a morte do "pequeno príncipe", como também era conhecido Hélio José Muniz Filho, deve "servir de exemplo" para outros jovens envolvidos em crimes e para o poder público.

"Espero que tudo isso tenha repercussão entre os poderosos", afirmou.

"Eles precisam olhar com mais atenção para a periferia e cuidar mais dos jovens, que estão vulneráveis e sujeitos à violência."
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página