Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/03/2002 - 23h28

DHPP ouve policial suspeito de envolvimento com Andinho

Publicidade

da Folha de S.Paulo, em Campinas

O delegado do DHPP (Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa) Luiz Fernando Lopes Teixeira, que preside o inquérito da morte do prefeito de Campinas Antonio da Costa Santos (PT), deve ouvir nesta semana o investigador do 4º DP (Distrito Policial) Rogério Salum Diniz.

O policial é suspeito de envolvimento com o sequestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, 23, o Andinho. O bando dele é apontado pelo DHPP como o responsável pela morte de Toninho.

A investigação da morte do prefeito de Campinas passou ser feita em paralelo com as apurações da Corregedoria da Polícia Civil de São Paulo sobre a ação de policiais de Campinas em Caraguatatuba, em outubro passado.

A ação no litoral resultou na morte de quatro homens. Dois deles eram integrantes da quadrilha de Andinho e suspeitos da morte do prefeito _Valmir Conti, o Valmirzinho, e Anderson José Bastos, o Anso.

Entre os policiais que participaram da ação, estava Diniz, que não foi incluído no inquérito policial que era presidido inicialmente pela Delegacia Seccional de São Sebastião. A decisão de transferir o inquérito do caso para a jurisdição da Corregedoria foi do delegado-geral de polícia do Estado, Marco Antônio Desgualdo.

Ainda no início desta semana, o DHPP pretende ouvir o depoimento do comerciante Jimi Sol Pereira Soares, 31, acusado pela Deas (Delegacia Especializada Anti-Sequestro), de Campinas, de participar do sequestro do empresário Tiago Albejante Mazon, 28, em novembro de 2001.

A autoria do sequestro de Mazon foi admitida, segundo a polícia, por Andinho e pelo comparsa dele, Cristiano Nascimento Faria, 26.

Jimi Sol, segundo a polícia de Campinas, foi quem indicou o empresário para a quadrilha de Andinho. A família pagou R$ 500 mil pelo resgate, e Jimi Sol recebeu, de acordo com a polícia, R$ 40 mil pela indicação.

Foi na investigação do sequestro de Mazon que a Deas gravou uma conversa telefônica, com autorização judicial, entre Diniz e o sequestrador Andinho.

No diálogo, o investigador teria fornecido informações para que a quadrilha de sequestradores conseguisse escapar do cerco policial.
O investigador do 4º DP nega qualquer envolvimento com Andinho. Diniz afirma, por meio de seu advogado, Daniel Bialski, que se aproximou do bando de Andinho com o objetivo de prendê-lo.

Apesar de considerar a autoria do crime esclarecida, a equipe do DHPP de São Paulo ainda realiza diligências em Campinas para achar a principal prova do crime _ a pistola 9 mm de onde saíram os tiros contra o petista.
 
Envie sua notícia

Publicidade

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Livraria da Folha

Filme Noir (DVD)

Filme Noir (DVD)

Vários

Comprar
Philia

Philia

Padre Marcelo Rossi

Comprar
Os Dez Mandamentos (+Um)

Os Dez Mandamentos (+Um)

Luiz Felipe Pondé

Comprar
Correr

Correr

Drauzio Varella

Comprar

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página