Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
06/04/2001 - 00h00

São Paulo amanhece com greve de ônibus; rodízio é suspenso

Publicidade

FABIANE LEITE e CARLOS FERREIRA, da Folha Online

Motoristas e cobradores de ônibus de São Paulo entraram em greve na madrugada de hoje, o que deve prejudicar cerca de 4 milhões de pessoas.

Segundo Edivaldo Santiago, presidente do sindicato da categoria, 55 mil motoristas e cobradores de 53 empresas estão de braços cruzados. Ao amanhecer, os ônibus deixarão as garangens e seguirão para a frente da secretaria municipal dos Transportes (região sudoeste) e no Palácio das Indústrias (região central), sede da prefeitura.

O objetivo é que os veículos passem pelas principais vias da cidade, como 23 de maio, Rebouças, Consolação e Dr. Arnaldo com velocidade máxima de 10 km por hora.

Santiago disse que a manifestação é contra a violência que atinge os trabalhadores da categoria e o atraso de salários _ parte das empresas ainda não teriam depositado os vencimentos que deveriam ser pagos ontem.

O dirigente afirmou ainda que a manifestação vai cobrar da prefeitura o cumprimento de acordo com a categoria assinado no mês passado. Segundo ele, o documento prometia medidas imediatas contra os perueiros que não foram implementadas _ as empresas de ônibus dizem que passam por dificuldade financeiras porque os lotações "roubam" seus passageiros, prejudicando sua arrecadação e consequentemente a remuneração dos trabalhadores.

"Consideramos que o acordo não foi cumprido", disse Santiago. A prefeitura cancelou uma licitação que contrataria 4.042 perueiros para a cidade. "O fato de cancelar a licitação já é um desrespeito, é forma de burlar o acordo", disse o sindicalista. Para ele, a processo, depois de concluído, limitaria o número de clandestinos.

O dirigente também cobrou o início da colocação de faixas exclusivas para os ônibus. "Alguma coisa já deveria ter sido feita", afirmou. Amanhã, Santiago disse que os manifestantes não irão falar com a prefeita Marta Suplicy (PT). "Não tem mais o que ser falado."

O sindicato da categoria se filiou na semana passada à Força Sindical, que rompeu com a prefeita no início do ano depois de apoiá-la na campanha eleitoral. Segundo Santiago, o protesto não tem relação com a filiação. "Isto é entre ela (Marta) e a Força", afirmou Santiago.

A CET informou que o rodízio de veículos está suspenso hoje.

Leia mais:

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

TV LED TV LED Smart, HDMI, Full HD a partir de R$ 899,90

Geladeira Geladeira Side By Side, Duplex, Frost Free a partir de R$ 849,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página