Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/05/2003 - 20h27

Padre é preso no Paraná sob acusação de pedofilia

MARI TORTATO
da Agência Folha, em Curitiba

O vigário da paróquia de São João do Triunfo (PR), padre Jacinto César Parachuk, 35, está preso na Delegacia de Polícia de São Mateus do Sul, por suspeita de pedofilia. Ele foi preso em flagrante no final da tarde de ontem, acusado de molestar um garoto de 14 anos.

Segundo o inspetor de polícia Almir Portela, que comandou a equipe que prendeu o padre, Parachuk vai responder a inquérito por atentado violento ao pudor. A cidade em que o padre foi preso fica a 25 km de São João do Triunfo, no sul do Estado.

Dois médicos chamados pelo Conselho Tutelar de São Mateus do Sul para atender ao garoto colheram material para exames. Segundo disseram à polícia, o corpo do menino continha material com aspecto de esperma.

Não é a primeira vez que o padre Parachuk é acusado de violência sexual contra meninos. Em novembro de 2001, ele foi expulso do quartel do Exército em Uruguaiana (RS), depois de quatro anos de atuação como capelão, por acusação semelhante. A informação foi fornecida à reportagem pelo bispo da Diocese de União da Vitória, dom Walter Michael Ebejer.

O bispo disse que considera o caso de Parachuk "uma doença" e informou que garantirá ao padre "apoio moral e jurídico". "Até ontem ele nunca tinha mostrado um sinal desse desvio no meu território", afirmou.

O padre atuava na paróquia de São João do Triunfo há um ano e quatro meses.
Ele foi preso em flagrante numa estrada deserta com o garoto. O flagrante foi possível pela denúncia de outro menino, que também tinha sido abordado pelo padre. Parachuk atraiu o adolescente com o pretexto de pagar R$ 10 pelo corte da grama de sua casa, segundo depoimento da vítima.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página