Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
04/10/2007 - 10h44

Governo diz que conversor da TV digital sai por R$ 250

Publicidade

LORENNA RODRIGUES
da Folha Online, em Brasília
SIMONE CUNHA
Colaboração para a Folha de S.Paulo

O Ministério das Comunicações reafirmou ontem que o preço do conversor da televisão digital deve ficar em torno de R$ 250. De acordo com a assessoria, a expectativa do ministro Hélio Costa é que o valor caia em poucos meses, com o início das vendas e a concorrência.

O ministério informou ainda que algumas empresas já anunciaram que venderão o equipamento por cerca de R$ 200.

O presidente da Eletros (associação da indústria de eletroeletrônicos), Lourival Kiçula, diz que não há possibilidade de fabricar um conversor a um preço abaixo de R$ 700. "[O preço] será de cerca de R$ 700, o que pode significar R$ 799."

O argumento da indústria é que não há escala suficiente para reduzir o custo dos componentes. Isso só deve acontecer em alguns anos.

Questionada sobre a afirmação do ministério, a Eletros disse, por meio da assessoria, que esse é o preço dos aparelhos com 1.080 linhas de resolução, que permitem a reprodução de imagens em alta definição.

Para o ministério, "não tem lógica" o valor estimado pela indústria, já que essas fábricas têm incentivos fiscais para a produção dos aparelhos.

A Semp Toshiba, que vai colocar no mercado dois modelos de conversor, diz que só é possível vender ao preço previsto pelo governo com subsídios.

A fabricante vai produzir um modelo de R$ 600, com qualidade de imagem inferior ao modelo de 1.080 linhas, segundo o diretor técnico da empresa, Roberto Barbieri. "É uma opção para quem quer gastar menos, mas assina TV a cabo para ter uma imagem boa ou quer acessar os recursos de multicanal [possibilidade de as emissoras exibirem mais de uma programação]."

Segundo ele, não é possível produzir uma versão mais barata --mesmo que mais simples-- em razão do preço do processador, que ele diz ser a parte mais cara do aparelho.

O consórcio formado pela empresa Encore, empresa indiana de tecnologia, para buscar uma alternativa mais barata, diz que está próximo de finalizar um conversor com custo abaixo de R$ 300. "Nosso objetivo é levar um set top box [conversor] mais acessível ao mercado. Mas não posso prometer que conseguiremos. Chegar a R$ 200 só seria possível com isenção fiscal ou desoneração", diz o diretor de tecnologia da Encore do Brasil, Peter Knight.

Para ele, "se o governo realmente quiser que a inclusão digital ande junto com a TV digital", vai ter de dar alguma contrapartida ao setor.

Ele não soube informar, no entanto, a resolução do aparelho que a Encore está produzindo. E disse que o objetivo da empresa é comercializar o aparelho já em dezembro, mas não garante que isso ocorrerá.

Tabela

Algumas fabricantes associadas à Eletros que já asseguraram que irão comercializar o conversor com a resolução de 1.080 linhas divulgam o preço estimado pela entidade para o aparelho. Custará cerca de R$ 800 o modelo de alta resolução da Semp Toshiba e o da Sony, que promete vender um conversor exclusivo para seus televisores e de maior qualidade.

Já as indústrias que preparam modelos de televisão com o conversor acoplado ainda não divulgam preços. É o caso da Samsung, que terá modelos de 40 e 52 polegadas em novembro, e da LG, que prevê lançar uma TV de 47 polegadas.

A Panasonic disse que tem conversores prontos para a venda, mas ainda não definiu se apostará neles ou em TVs com o aparelho integrado.

Acompanhe as notícias em seu celular: digite o endereço wap.folha.com.br

Comentários dos leitores
J. R. (1032) 11/10/2009 08h18
J. R. (1032) 11/10/2009 08h18
=====================================================================
Parabéns à Argentina pela nova lei das telecomunicações, reservando 2/3 do espaço para a educação. Nossos vizinhos estão avançando mais rapidamente nas leis do que nós, preocupados em fazer CPI´s eleitoreiras e esquecendo das reformas necessárias ao país.
=====================================================================
sem opinião
avalie fechar
Alexandre A Marques (29) 26/11/2008 15h42
Alexandre A Marques (29) 26/11/2008 15h42
no brasil ocorre a malandragem da tv também produzir.
uma coisa é transmitir outra é produzir conteudo.
isso já era para ter sido modificado a muito tempo.
que pena eu tenho de nós.
pelo menos, nao assisto tv aberta a muuuito anos, assino tv e banda larga, uso o computador desde os primordios, sou um leigo em assunto televisivo, ainda bem. ironico é que fico sabendo das coisa antes.
1 opinião
avalie fechar
marxy martinuzo (8) 26/11/2008 12h48
marxy martinuzo (8) 26/11/2008 12h48
Não aguento mais comercial... tudo bem que a tv aberta vive disso, mas e os canais fechados, o absurdo de mensalidades por um monte de canais inúteis ja não é suficiente? é muita propaganda e pouca programação, até os canais de filme só sabem reprisar, nada de novo... Abaixo os canais. Depois não compreendem porque a internet esta tirando a audiencia da TV. Desculpem o desabafo, mas eu só uso a TV pra assistir filmes em DVD..informação não falta na net, revistas e jornais...que tem muita propaganda tb...mas é só virar a página... 3 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (94)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página