Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/05/2010 - 18h33

Petróleo mantém trajetória de queda e fecha a US$ 70 em NY

Publicidade

da France Presse, em Nova York
da Reportagem Local

Os preços do petróleo fecharam em queda nesta segunda-feira em Nova York e Londres, em meio às preocupações sobre as consequências da crise da zona do euro para a recuperação econômica e o consumo de energia.

Na Nymex (Bolsa de Valores de Nova York, na sigla em inglês), o barril do tipo Texas para entrega em junho caiu 2,16%, para fechar cotado a US$ 70,06 por barril. A mínima durante o dia foi de US$ 69,27 dólar, menor patamar desde 5 de outubro de 2009, perdendo cerca de US$ 15 nas últimas semanas.

Em Londres, o barril do petróleo Brent para entrega em julho fechou na ICE Futures (Bolsa Intercontinental de Futuros) 2,69% mais barato, negociado a US$ 75,10.

Essa queda "reflete o que ocorre na Europa, a crise da dívida continua ali", afirmou Andy Lipow, da Lipow Oil Associates. "O mercado questiona-se sobre a capacidade dos governos de reduzir seus deficit. Emprestar uns aos outros não resolve o problema."

As drásticas medidas já anunciadas por alguns governos europeus --como Grécia, Espanha e Portugal-- para reduzir sua dívida pública, poderão afetar o consumo das famílias, o que reflete no consumo de combustíveis, lembra Lipow.

"O mercado já estava em uma espiral descendente, e o índice Empire State", que mede a atividade industrial na região de Nova York, "aumentou a pressão" para baixo, observou Jason Schenker, da Prestige Economics. Esse indicador caiu mais que o previsto em maio, voltando a seu nível mais baixo desde janeiro.

"Penso que serão necessários indicadores econômicos muito bons, garantias bem sólidas sobre a crise grega, mudanças fundamentais no nível dos estoques (nos EUA) para que o mercado se recupere de forma significativa", declarou Schenker. "Existem riscos de novas quedas de preços, ao menos agora", previu.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página