Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
13/01/2005 - 10h42

Engenharia é visto como curso mais difícil; jornalismo é o mais fácil

Publicidade

FERNANDA BASSETTE
ANDRÉ NICOLETTI
da Folha de S.Paulo

Apesar de embalado pelos estudos para o vestibular, Ricardo Caruso Vieira, 23, foi reprovado em uma disciplina logo no primeiro ano da faculdade. Já Renata Rocha, 29, não teve grandes problemas durante a graduação.

Ricardo se formou no final do ano passado em engenharia elétrica, carreira em que 18,3% dos alunos que fizeram o provão de 2003 acharam que a graduação deveria ter sido menos ou muito menos exigente. O curso foi apontado como o mais difícil entre os 26 que participaram do exame.

Renata graduou-se na mesma época em jornalismo em uma faculdade particular de São Paulo. Em sua carreira, só 2,3% dos formandos achavam que a graduação deveria ter exigido menos ou muito menos, enquanto 73,4% consideravam que deveria ter cobrado mais ou muito mais.

"No primeiro ano, fui reprovado em cálculo, que tem índice de aprovação menor do que 50%. Já imaginava que o curso seria difícil, mas superou minhas expectativas", disse Ricardo, que foi reprovado em cinco disciplinas durante a graduação inteira da USP.

Segundo o coordenador da graduação em engenharia elétrica da Unesp de Bauru, Naasson Pereira de Alcantara Júnior, o curso causa um choque por ter práticas didáticas diferentes das que os estudantes encontram nas escolas. "A base matemática é muito forte. Disciplinas como cálculo e física são necessárias para as seguintes. Diminuir a exigência é dar um tiro no pé."

Já Renata só teve uma reprovação durante todo o curso. "No primeiro ano já fiquei decepcionada. Mesmo que não lêssemos os textos, conseguíamos fazer as provas e tirar notas boas." Ela conta que, no primeiro ano, teria de assistir a um filme para elaborar uma resenha. Como não conseguiu alugar a fita, fez o texto com base em depoimentos de amigos. "Tirei nove e meio. A partir daí, desencanei."

Para o chefe do departamento de jornalismo da USP, José Coelho Sobrinho, o problema dos cursos de comunicação é que as habilidades aprimoradas já são usadas no cotidiano. "Comunicação exige falar, escrever, ouvir, que são coisas do dia-a-dia. É diferente de engenharia, em que o aluno até sabe fazer contas, mas nunca fez o cálculo de uma viga. O importante é ajudar os estudantes a aprender a aprender."

Segundo ele, muitas vezes os alunos entram com "espírito de cursinho", o que causa decepção. "Eles entram querendo regras para aplicar. Eles têm de aperfeiçoar o que já têm, o que não se faz por meio de regras definidas."

Leia mais
  • Faap vai abrir dois campi no interior de São Paulo
  • Governo pode abdicar do Enem para conceder bolsas
  • Candidatos do vestibular Unicamp devem treinar respostas
  • MEC quer conversão da dívida externa em investimento na educação

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre cursos de engenharia
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

    TV TV LED, 3D, FULL HD e Smart a partir de R$ 399,90

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página