Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
05/06/2006 - 09h40

Talentos "sobrevivem" ao mau ensino

Publicidade

ANTÔNIO GOIS
da Folha de S.Paulo, no Rio

Os alunos brasileiros têm péssimo desempenho em matemática. As notas médias vão caindo a cada série, um grande número de estudantes ignora técnicas algébricas simples de resoluções de equações e outros não conseguem resolver questões que exigem conhecimento mínimo da disciplina.

Esse quadro, desalentador, já era um pouco esperado pelos organizadores da Olimpíada Brasileira de Matemática das Escolas Públicas. A surpresa foi constatar que ao menos 30 mil alunos se destacaram, muitas vezes, em situações adversas.

São, na definição da vice-presidente da Sociedade Brasileira de Matemática, Suely Druck, talentos individuais que resistem ao péssimo ensino público ou alunos que foram motivados por bons professores. Às vezes, há a soma desses dois fatores.

Foi o que aconteceu com os irmãos Luís Paulo Carvalho, 12, e Luís Fernando Carvalho, 15. Filhos da empregada doméstica Rosimar Gonçalves, 46, o mais velho ficou entre os 2001 melhores alunos do país e, por isso, ganhará uma bolsa do CNPq. O menor ganhou menção honrosa por ficar entre os 30 mil melhores. Num universo de 10,5 milhões, estão entre os 0,3% melhores estudantes.

Em casa, apesar das dificuldades, eles receberam apoio da mãe. Com R$ 500 de seu salário, ela sustenta, sozinha, os dois e uma filha de sete anos. Na maior parte do tempo, os filhos ficam sozinhos em casa.

"Sei que o dinheiro é pouco, mas, enquanto eu existir, meus filhos só vão trabalhar quando forem homens. O sonho do mais velho é ter um computador, mas eu explico sempre que não dá para comprar muita coisa porque o mais importante é garantir comida", conta a mãe.

Os dois também aproveitaram bem a oportunidade de serem alunos do professor Luiz Felipe Lins na Escola Municipal Silveira Sampaio, em Curicica (zona oeste do Rio).

Ex-aluno da escola onde hoje ensina matemática, desde 2005 Lins dedica seus sábados a preparar as crianças para a olimpíada. Ele não ganha nada a mais por isso e os alunos não são obrigados a comparecer. Mesmo assim, a turma encheu e, como resultado, a escola foi considerada no ano passado a melhor da rede municipal do Rio, com 21 alunos premiados.

"A escola em que eu estudei, há 20 anos, era para poucos. Apesar de pobres, os alunos vinham de famílias estruturadas. Hoje, essa mesma escola recebe todo tipo de criança. Muitos estão aqui só porque o pai recebe Bolsa-Família ou Cheque Cidadão [programa de renda do governo do Rio]. É por isso que nosso desafio é maior", afirma.

Para Lins, a olimpíada de matemática é uma maneira de mostrar para as crianças que elas podem se destacar não só no esporte ou na música.
Situação ainda mais adversa foi superada por Paulo Ramos, 17, que ganhou medalha de ouro na prova, concedida aos 300 melhores entre os 10,5 milhões. Aluno de uma escola pública de Brasília, Paulo é portador de artrite reumatóide. Por isso, utiliza cadeira de rodas, não enxerga e ouve com dificuldade.

"Ele sempre foi bom aluno, mas só descobri que era tão bom em matemática agora", afirma a mãe, Maria Santos.

Paulo também contou com a ajuda dos seus professores, mas diz que nem sempre foi assim. "Em outra escola, os professores não sabiam bem o que fazer e eu me atrasei bastante", diz.

Assim como Paulo, outros portadores de algum tipo de deficiência tiveram bom resultado. De 338 que se inscreveram, 157 (46%) passaram para a segunda fase --em que participam os 5% com melhores notas-- e 24 foram premiados.

Leia mais
  • Talentos "sobrevivem" ao mau ensino
  • Escola chega a vetar teorema de Pitágoras

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Olimpíada de Matemática
  • Leia o que já foi publicado sobre escolas públicas

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página