Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/09/2006 - 10h01

Governo quer pagar faculdade em troca de serviço no SUS

Publicidade

LUCIANA CONSTANTINO
da Folha de S.Paulo, em Brasília

Está em estudo no Ministério da Educação uma proposta que prevê o financiamento de cursos de graduação na área de saúde para alunos que se dispuserem a prestar serviços na rede pública. O objetivo é tentar reduzir a falta de médicos e profissionais de saúde em regiões distantes e no interior dos Estados.

Pelo projeto, parte do Fies (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior) seria destinada ao pagamento de 100% da mensalidade, principalmente em medicina, durante o curso.

Em contrapartida, depois de formado, o beneficiado assinaria um contrato com o SUS (Sistema Único de Saúde) para atender a população em áreas carentes desse tipo de profissional.

A duração da prestação do serviço pelo jovem seria determinada pelo valor da mensalidade e pelo período em que ela foi financiada.

Caso haja algum tipo de impedimento do formando em cumprir o contrato, ele pagaria a dívida pelo financiamento de seu curso.

Detalhes

Técnicos do ministério estão finalizando a proposta para definir, por exemplo, qual seria o prazo necessário de contrato e quais os cursos da área de saúde a serem incluídos.

A idéia é atender inicialmente medicina, mas podem entrar outros, como odontologia e fisioterapia. Para vigorar, o projeto dependerá de aprovação do Congresso Nacional.

O Fies, criado no fim dos anos 90 para substituir o Creduc (Programa de Crédito Educativo), financia atualmente 50% do valor da mensalidade --o restante é pago pelo aluno.

Enquanto cursa a graduação, o beneficiado se compromete a pagar, a cada três meses, R$ 50, valor abatido do saldo devedor.

Após a formatura, ele tem um prazo para pagar o restante do financiamento.
A taxa de juros está atualmente em 9% ao ano. A inadimplência está em 23%.

Inscrições

Ontem, o Ministério da Educação anunciou que oferecerá neste semestre 100 mil contratos do Fies, com investimento previsto de R$ 100 milhões. São 381 mil contratos ativos, com orçamento de R$ 816 milhões neste ano.

Segundo o ministro da Educação, Fernando Haddad, a expectativa é que a demanda pelo Fies caia, como no ano passado, devido à oferta de bolsas de estudo pelo Prouni (Programa Universidade para Todos).

Em 2005, houve cerca de 130 mil inscrições, e foram concedidos 77,2 mil financiamentos. No ano anterior, a procura havia sido de aproximadamente 200 mil alunos.

Haddad também afirmou que pretende recorrer ao Conselho Monetário Nacional para solicitar a redução da taxa de juros do Fies.

Estudantes do Prouni que tenham bolsas parciais (50% da mensalidade) também podem solicitar financiamento por meio do Fies.

As inscrições estarão abertas de 6 a 19 de novembro para bolsistas do Prouni e de 6 a 26 de novembro para os outros estudantes. Apesar de a inscrição ser em novembro, os contratos serão retroativos ao início deste semestre.

O ministério não aceitará, neste ano, a adesão ao Fies de instituições particulares cujos cursos tenham duas avaliações negativas. O formulário de inscrição no Fies estará disponível no site da Caixa Econômica Federal.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Fies

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

    TV TV LED, 3D, FULL HD e Smart a partir de R$ 399,90

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página