Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
29/08/2002 - 08h51

Códigos da moda ajudam a perceber melhor o outro

Publicidade

ANTONIO ARRUDA
da Folha de S.Paulo

O que você está querendo dizer com essa calça, com essa blusa ou com esse sapato que está usando? Seja o que estiver vestindo, você está comunicando algo e, se não sabe o que é, vale a pena tentar identificar. Afinal as roupas e toda a respectiva produção, além de cumprir seu papel primordial -cobrir a nudez e proteger o corpo-, são códigos que, como as palavras, evidenciam sentimentos, sensações e atitudes.

"O vestuário fala. Fala o fato de eu me apresentar no escritório de manhã com uma gravata normal de riscas, fala o fato de a substituir inesperadamente por uma gravata psicodélica, fala o fato de ir à reunião do conselho de administração sem gravata", escreveu Umberto Eco em seu ensaio "O Hábito Fala pelo Monge".

"Antes mesmo de a pessoa falar oi, sua roupa está dizendo um monte de coisas a seu respeito", diz Kathia Castilho, professora de moda da Universidade Anhembi Morumbi e uma das organizadoras do seminário "A Moda do Corpo, o Corpo da Moda", que termina hoje no Rio de Janeiro e se transformará em livro, a ser lançado ainda neste ano.

O conceito do vestuário como ferramenta de comunicação não é claro para todo mundo. Nesse caso, os códigos podem ser mal utilizados e provocar efeitos indesejados. "É como se a pessoa tivesse nascido no Sul do país e falasse com sotaque do Nordeste", diz a professora de semiótica da PUC-SP Ana Cláudia de Oliveira.

E quando a moda gera um verdadeiro bem-estar? Quando reflete o jeito de ser da pessoa. "Quando a pessoa está integrada à roupa, quando ela se arruma da maneira que acha legal, quando consegue identificar o que lhe cai bem", diz a empresária de moda Costanza Pascolato.

A moda a serviço de quem?

"A moda tem de estar a serviço da personalidade da pessoa. Do contrário, se a pessoa entrar num processo de submissão, a moda pode lhe fazer mal", diz Vera Lima, curadora da coleção de indumentárias do Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro.

Mas, em meio a tanta imposição da mídia, dá para encontrar espaço e eleger, do vestuário, códigos que condizem com você? Bastam alguns minutos em frente a uma banca de jornal para qualquer um se perder em meio à batelada de informações sobre tendências, estilos e vertentes da moda. Nos outdoors, os modelos maravilhosos vestem as cores da estação. Nas novelas, os atores desfilam a calça, a bota e a jóia do momento.

"Não há dúvida de que a moda força modelos e que sempre estamos submetidos à aprovação do outro. Mas, nessa guerrilha diária, que é parecer externamente o que de fato se é internamente, é preciso experimentar até encontrar o elemento que vai se integrar ao nosso modo de ser", diz Rosane Preciosa, professora de psicossociologia da pós-graduação em moda da Faculdade Santa Marcelina.

E o resultado pode ser muito compensador. "Se a pessoa tem auto-estima e confiança em si, pode reforçar os aspectos da sua personalidade que bem entender: sua sensualidade, sua seriedade, seu jeito descontraído", diz Ilana Berenholc, consultora de imagem do Senac. E mais: com informação e autoconhecimento, ela "seduz melhor, diverte-se mais e circula mais à vontade pelos vários ambientes", diz Lilian Pacce, editora de moda.
Os padrões estipulados pelo mercado também têm a função de sinalizar as diferentes "tribos" no espaço e no tempo.

Assim a moda integra as pessoas. Aproxima aqueles que, por meio da aparência, indicam ter afinidades em comum. Todos querem sentir que pertencem a determinado grupo, mas o interessante é dar uma sacudidela nas formas prontas que ele utiliza, acrescentando elementos próprios, originais. "Quem consegue dar essa sacudidela é porque, de algum modo, conseguiu manter-se fiel à sua personalidade, utilizando o vestuário como reforço", diz Rosane Preciosa.

Máscaras que revelam

"Conviver com a moda significa ter uma maletinha cheia de máscaras. Essas máscaras podem reforçar nossas características ou ocultá-las, se for o caso", diz o estilista Ronaldo Fraga. E essa maletinha de máscaras está em constante renovação. "A moda muda continuamente. Nesse processo, quem está antenado consegue sempre ter à mão novos elementos. Assim, a busca de bem-estar também é contínua", diz Vera Lima.

Por meio da moda, sempre em mudança, você não apenas possibilita que o outro o descubra como também pode fazer descobertas sobre si mesmo, como estados de espírito até então adormecidos.

A professora de semiótica da PUC-SP Ana Cláudia de Oliveira usa como exemplo os catálogos e outdoors das grifes de roupa para jovens que estampam garotas e rapazes mantendo uma relação com o corpo que induz à sedução: "O consumidor pode, a partir dos elementos que aquele vestuário lhe fornece, ter um "insight" e dizer "preciso me tornar mais sensual". A transformação é própria da moda. E também é própria do indivíduo. Logo, buscando na moda um aliado, o indivíduo pode se transformar sempre".

Leia mais:

  • Veja como se integrar à moda de forma saudável

  • Saiba quando a moda neurotiza e vira camisa-de-força

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página