Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/06/2004 - 07h43

Modo de vida pode ajudar ou abalar a fertilidade

Publicidade

DOROTHEA PIRATININGA
free-lance para a Folha

Em uma época em que muitos casais optam por adiar o plano de ter filhos, um empurrãozinho na natureza pode ser útil. Antes de recorrer a sofisticados métodos de reprodução assistida, o casal pode lançar mão de medidas simples que, direta ou indiretamente, ajudam a estimular a fertilidade. O primeiro passo é o mais manjado: adotar um estilo de vida saudável, com bons hábitos alimentares e a prática regular de exercícios, porque ambos favorecem a fecundidade. Depois disso, é seguir as recomendações dos especialistas.

Peso sob controle

As aspirantes a mãe devem evitar os extremos de peso. A obesidade aumenta o nível de estrógeno, hormônio que, em excesso, funciona como um anticoncepcional, explica o ginecologista Luis Bahamondes, da Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Mulheres magras demais também podem ter mais dificuldade para engravidar. O peso muito baixo geralmente está associado a outros problemas que podem afetar a fertilidade, como o hipertireoidismo. "Além disso, o endométrio [membrana que reveste o útero] fica menos propenso à gravidez", afirma o ginecologista Paulo Serafine, do Centro de Medicina Reprodutiva Huntington (SP). Já nos homens, o excesso de peso altera as taxas de dois hormônios --reduz o nível de testosterona e aumenta o de estradiol--, o que compromete a produção de esperma, diz o urologista e especialista em infertilidade masculina Rodrigo Pagani, do Centro de Reprodução Assistida do Hospital das Clínicas (HC), de São Paulo.

Sem cigarro

De acordo com os especialistas entrevistados pela Folha, o tabagismo prejudica a fertilidade de ambos os sexos. O cigarro causa um aumento de radicais livres no organismo masculino, o que altera a qualidade, a forma, a mobilidade e a concentração dos espermatozóides. Cada mulher nasce com um determinado número de óvulos --a chamada reserva ovariana-- e eles perdem qualidade com o passar dos anos, explica Bahamondes. O cigarro diminui tanto a quantidade de óvulos como a qualidade deles. Além disso, se engravidar, a fumante corre maior risco de abortar.

Menos álcool e cafeína

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode gerar problemas neurológicos que, por sua vez, alteram as funções hormonais de homens e mulheres. Já a cafeína, substância presente no café, em alguns chás e em refrigerantes, age como vasoconstritora. "Duas a três xícaras de café por dia já podem levar à diminuição da circulação sangüínea na região pélvica, o que é prejudicial à fertilidade", diz Serafine.

Agulhas para ela

Sessões de acupuntura podem ajudar a reduzir a ansiedade da mulher que enfrenta dificuldades para engravidar. "Embora imensurável, calcula-se que a ansiedade seja responsável por 3% a 5% dos casos de infertilidade", diz Serafine. Há indícios também de que a técnica, de origem chinesa, ajude a aumentar a irrigação sangüínea dos órgãos reprodutivos femininos, a regular os hormônios e a favorecer a fixação dos embriões no útero. "Por meio da ultra-sonografia, pode-se verificar o aumento do fluxo sangüíneo na região pélvica que é promovido pela acupuntura", diz a clínica-geral Helena Campiglia, da Associação Médica Brasileira de Acupuntura.

Roupas folgadas para ele

Os homens devem evitar o "superaquecimento" dos órgãos sexuais. "A bolsa escrotal tem uma função termorreguladora que mantém os testículos à temperatura de mais ou menos 34 graus centígrados, que é ideal para a produção de espermatozóides de boa qualidade", explica o urologista Sami Arap, chefe do Centro de Reprodução Assistida do HC. Calças e cuecas largas propiciam a ventilação adequada dos testículos. "Banhos e saunas excessivamente quentes também não são aconselhados", diz.

Suplementos especiais

Ainda não há comprovação científica, mas os especialistas acreditam que suplementos de vitaminas E e C, de ácido fólico e de zinco ajudem a melhorar a qualidade do sêmen. "Recomendamos doses diárias de 800 UI (unidades internacionais) de vitamina E, 1 g de vitamina C e 2 mg de ácido fólico; não há dosagem estabelecida de zinco", afirma Rodrigo Pagani.

E dá-lhe muito sexo

Por fim, mas não menos importante, o casal deve manter uma vida sexual ativa e sem restrições. Arap recomenda "muito sexo", principalmente no período feminino mais fértil, cujo início, em mulheres com ciclos regulares de 28 dias, ocorre no 14º após o início da menstruação. A exceção se dá em casos em que já foi diagnosticada uma produção de sêmen muito baixa. "Recomendamos que esses homens mantenham relações sexuais em dias alternados", diz Pagani.
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página