Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
25/07/2004 - 07h21

Cistite de repetição preocupa médicos

Publicidade

CLÁUDIA COLLUCCI
FERNANDA FERNANDES
da Folha de S.Paulo

Entre as doenças infecciosas, ela representa a segunda maior causa de consultas médicas, só perdendo para as infecções pulmonares. Por ano, pelo menos 4 milhões de brasileiros procuram os médicos queixando-se de cistite, infecção urinária do baixo ventre, que atinge especialmente as mulheres.

Um fato que tem preocupado os médicos é o aumento dos casos de cistite de repetição, caracterizada por mais de um episódio de infecção por ano. Uma das razões é a falta de diagnóstico correto.

A realização de uma cultura da urina (que pesquisa a existência de bactérias) e de um antibiograma (exame que aponta a resistência dos micróbios a antibióticos) é uma das medidas indispensáveis durante os episódios de cistite.

Na prática, porém, nem sempre isso acontece. O uso indiscriminado de antibióticos, muitas vezes sem acompanhamento médico, acaba criando bactérias cada vez mais resistentes.

Por isso, é fundamental pesquisar primeiro qual o tipo de bactéria presente e se ela é resistente a algum antibiótico, segundo a ginecologista Cláudia Gazzo, do Hospital do Servidor Estadual.

A médica afirma ser importante repetir a cultura de urina depois de 15 a 20 dias da terapia para se certificar de que o medicamento foi capaz de matar toda a colônia.

Também é preciso avaliar muito bem os casos que podem ser tratados com uma única dose. "Quando a cistite é recorrente, muitas vezes é preciso estender além da dose única", diz. O tratamento normal leva sete dias, mas, nos casos de recorrência, a terapia pode durar até três meses.

Para o urologista Paulo Ayroza Galvão, do Hospital Sírio-Libanês, a recorrência atinge muito mais as mulheres e alguns fatores podem determiná-la, tais como pacientes com diabetes, com cálculo renal ou grávidas.

No entanto ele afirma que em algumas pacientes não se consegue encontrar a causa. "Deve ter algum fator imunológico porque há mulheres que nunca tiveram a doença e outras que contraem cistite várias vezes", explica.

A infecção urinária pode ocorrer por várias causas, entre elas a falta de limpeza correta após a evacuação, que permite que a Escherichia coli (que habita o intestino) contamine a uretra.

Se o organismo estiver imunodeprimido por uma gripe, por exemplo, o cenário está pronto para que se instale um processo infeccioso, segundo os médicos.

Cálculos renais, alterações anatômicas da uretra ou má-formações do trato urinário também são fatores que podem provocar a cistite e precisam ser investigados caso haja crises freqüentes.

Um tipo de cistite que costuma ser de difícil diagnóstico é a intersticial, uma doença inflamatória vesical caracterizada pela freqüência miccional elevada e dor pélvica. Segundo Gazzo, muitas mulheres são tratadas como se tivessem simples cistites e tomam inúmeras doses de antibióticos. O ideal, diz ela, é a realização de uma citoscopia com biopsia da bexiga.

Leia mais
  • Incidência da cistite nas mulheres não é maior sempre

    Especial
  • Veja o que já foi publicado sobre cistite

  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

    Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página