Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
30/01/2006 - 16h13

Paciência é requisito para tratar disfunção na rede pública

Publicidade

ANA CESALTINA MARQUES
Colaboração para a Folha de São Paulo(*)

É possível tratar disfunção erétil na rede pública, mas o tempo para
resolver o problema provavelmente será maior. "Há demora para que os
pacientes sejam atendidos. Há poucos serviços que oferecem psicoterapia. Além disso, muitos pacientes não têm dinheiro para ficar tomando a medicação", diz o presidente da Sociedade Brasileira de Urologia, Sidney Glina.

A boa notícia é que o procedimento mais caro é oferecido pelo Sistema Único de Saúde. O implante de prótese peniana é realizado em hospitais públicos, em casos de origem orgânica, onde a ereção não pode ser recuperada com os medicamentos de uso oral ou injeção.

Foi na rede pública de saúde, no Hospital das Clínicas da USP, que José
(nome fictício), 58, conseguiu resolver seu problema sem precisar vender a casa em que mora. Mas hoje, para iniciar tratamento pelo Projeto
Sexualidade, esperam cerca de 700 pessoas, segundo a coordenação.

"É um serviço de referência e a procura é grande. Fazemos cerca de 1.200
consultas por mês, entre clínica e psicologia", afirma Carmita Abdo. Para
quem aguarda o início do tratamento é oferecido um curso, onde os casos
graves são identificados e encaminhados com maior urgência.

O Ministério da Saúde já anunciou o lançamento de um programa de atenção à saúde do homem --nos moldes do programa que visa a saúde da mulher. A oferta de medicamentos para a disfunção erétil na rede pública está sendo analisada.

Sidney Glina considera que a medida pode ser "um chamariz para o homem ir ao médico. Mas não adianta só distribuir o remédio. É preciso que haja prevenção e tratamento".

Em São Paulo, a orientação das secretarias estadual e municipal de saúde é que o homem com problemas de ereção procure o médico no posto de saúde mais próximo de casa. O profissional avaliará o caso e, se necessário, encaminhará o paciente a um dos sete hospitais que prestam serviço especializado no Estado.

Veja onde encontrar tratamento para disfunção erétil em SP

Hospital Brigadeiro
Hospital das Clínicas de São Paulo (ProSex)
Hospital das Clínicas de Campinas
Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto
Hospital Ipiranga
Hospital São Paulo
Hospital do Servidor Público Estadual (somente para servidores estaduais)

(*) Ana Cesaltina Marques participou da 40ª turma do Programa de Treinamento
em Jornalismo Diário da Folha, que foi patrocinada pela Philip Morris Brasil


Leia mais
  • Silêncio nos consultórios prolonga disfunção erétil
  • Mulher incentiva tratamento de disfunção erétil
  • Prótese foi "presente de Natal" para aposentado

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre disfunção erétil
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página