Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/04/2006 - 12h54

Café pode passar de vilão a mocinho, apontam estudos

Publicidade

IARA BIDERMAN
Colaboração para a Folha de S.Paulo
TATIANA DINIZ
da Folha de S.Paulo

Por muito tempo, o café encenava melhor o papel de vilão: provocava agitação, dependência e fazia mal para o estômago. Definitivamente, não era indicado para a saúde do coração. Hoje, a probabilidade é que ele passe de bandido a mocinho. Reduzir o colesterol, evitar doenças coronarianas, proporcionar efeitos antidepressivos e até mesmo ajudar a emagrecer são alguns dos pontos a favor que a bebida vem ganhando e que se tornaram objeto de pesquisas conduzidas em diversos países.

A aposta nos aspectos saudáveis é tanta que o Brasil vai ganhar, em breve, um centro de estudos que concentrará esforços na investigação dos prováveis efeitos benéficos do café. A Fundação Zerbini, do Hospital das Clínicas de São Paulo, a partir de um protocolo de intenções assinado com a Abic (Associação Brasileira da Indústria de Café), prepara-se para criar a Unidade de Pesquisa Café-Coração do Incor (Instituto do Coração do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo).

Eduardo Knapp/FI
Estudos mostram possíveis benefícios da bebida
Estudos mostram possíveis benefícios da bebida
Ontem, foi assinado o contrato de cooperação técnica e financeira com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisas Agropecuárias), que "viabilizará o desenvolvimento das pesquisas", segundo Gabriel Bartholo, gerente-geral da Embrapa Café. A previsão é que, ainda no decorrer deste ano, os estudos da unidade já estejam em andamento.

Tamanho interesse é o resultado do cruzamento de duas coordenadas: a científica e a econômica. A primeira diz respeito a pesquisas populacionais e laboratoriais, realizadas nas últimas décadas, que apontam uma série de benefícios à saúde relacionados ao consumo regular de café.

"Estudos indicam que substâncias presentes no café podem prevenir demências e mal de Alzheimer. Seus compostos antioxidantes protegem do diabetes. E o consumo moderado regular inibe o alcoolismo e a depressão", afirma Darcy Roberto Lima, doutor em medicina pela Universidade de Londres e professor do Instituto de Neurologia da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Coração

Chegar a conclusões efetivas sobre a capacidade de o café proteger o coração parece ser o principal desafio dos pesquisadores atualmente. Para Luiz Antonio Machado César, coordenador da Unidade Café-Coração do Incor, "hoje, não há motivos para dizer [ao paciente] que pare de tomar café, e há motivos para dizer que [o consumo] pode fazer bem".

Esses motivos são sustentados pelos novos estudos na área. Investiga-se, por exemplo, como o café interfere na taxa de colesterol. Rosana Perim, gerente de nutrição do HCor (Hospital do Coração) da Associação Sanatório Sírio, estudou as diferentes formas de preparo e concluiu que o café filtrado ou coado não altera os níveis de colesterol no sangue, mas, em processos de preparo sem filtragem, há um discreto aumento. Ainda segundo ela, o consumo moderado de café diminui a oxidação do LDL (colesterol "ruim"), que causa inflamação nas artérias, desencadeando a doença coronariana.

Esse efeito está ligado aos compostos antioxidantes do café. Estudos conduzidos atualmente na UnB (Universidade de Brasília) concentram-se na análise do AC (ácido caféico). "Em nossos estudos, verificamos que o AC é capaz de atuar eficientemente como antioxidante", diz Angelo de Queiroz Mauricio, mestrando do Instituto de Química da UnB e integrante do grupo de pesquisas em radicais de oxigênio.

O ex-presidente da Federação Mundial de Cardiologia, Mario Maranhão, vê com entusiasmo as pesquisas sobre as potencialidades do café. Ele aposta "na perspectiva de o café indiretamente reduzir a chance de infarto do miocárdio", baseado em pesquisas que mostram um efeito antidepressivo na bebida. "A depressão aumenta em até quatro vezes a possibilidade de infarto e, ao cabo de um ano, aumenta em cinco vezes a chance de um novo episódio. Ao combatê-la, melhoramos as condições de saúde cardiovascular".

Depressão

O efeito antidepressivo do café foi apontado em uma grande pesquisa populacional realizada nos EUA, conhecida como "pesquisa das enfermeiras", por ser essa a ocupação da população observada. Os dados mostraram uma menor incidência de depressão profunda e de suicídio entre aquelas que eram consumidoras habituais da bebida.

No Brasil, uma pesquisa realizada entre 1987 e 1998, envolvendo mais de 100 mil estudantes de dez a 18 anos, também verificou uma relação inversa entre o consumo de café e a depressão. Coordenada por Darcy Lima, da UFRJ, e com o apoio do Instituto de Estudos do Café da Universidade Vanderbilt, de Nashville (EUA), os dados preliminares da pesquisa também mostram uma menor incidência de alcoolismo entre as crianças e os adolescentes que tomam aproximadamente três xícaras de café por dia.

Porém, as conclusões desses trabalhos ainda não são consenso entre os médicos. Ricardo Moreno, presidente do departamento de psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP, não recomenda café nos casos de depressão.

A polêmica da cafeína

"A cafeína é uma substância estimulante do sistema nervoso central. Nos quadros de depressão, todas as substâncias estimulantes são contra-indicadas porque alteram o humor das pessoas", explica Moreno. Segundo ele, algumas pessoas desfrutam de uma sensação de bem-estar logo após ingerir uma xícara de café, mas isso não deve ser confundido com um efeito antidepressivo. "No longo e no médio prazos, inclusive, o consumo contínuo pode acentuar o estado depressivo na ausência da substância", completa.

Para Darcy Lima, a questão não se resume à cafeína. Ele acredita que, embora a substância também possa ter relação com o efeito antidepressivo e inibidor do alcoolismo, os principais agentes são os antagonistas de opiáceos derivados dos ácidos clorogênicos presentes no café.

Mas a crença comum é que café é mesmo sinônimo de cafeína --substância psicoestimulante que pode causar, além de dependência, sintomas como irritabilidade, nervosismo e insônia.

Sim, pode, mas os defensores do café batem em duas teclas: a cafeína corresponde a apenas 1% a 2,5% da composição do café; e esses efeitos indesejáveis só ocorrem quando o consumo é excessivo. Atualmente, a quantidade recomendada é de uma a duas xícaras diárias para quem tem menos que dez anos e mais que 60 anos e de três a quatro xícaras para a faixa etária restante, segundo Lima.

Leia mais
  • Indústria promove divulgação de benefícios do café
  • Efeitos do café no corpo variam com o tipo de preparo

    Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o café na editoria de Equilíbrio
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página