Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/02/2007 - 06h00

Músico resgata hinos de Lamartine Babo feitos para "nanicos" do Rio

Publicidade

SÉRGIO RANGEL
da Folha de S.Paulo, no Rio

Autor dos mais famosos hinos do futebol brasileiro, Lamartine Babo compôs também uma série de "marchas" esquecidas de times pequenos do Rio.

São Cristóvão, Bonsucesso, Madureira, Olaria, Bangu e até o desaparecido Canto do Rio, de Niterói, ganharam hinos de um dos mais notáveis nomes do carnaval brasileiro.

As músicas originais praticamente perdidas pelo tempo foram resgatadas pelo músico e pesquisador Alfredo Del-Penho.

As raras gravações podem ser ouvidas no site da Folha Online.

Os hinos dos clubes "nanicos" são preciosidades e crônicas do Rio antigo.

O do Bangu, por exemplo, tem a grandiosidade dos hinos dos clubes grandes --"a torcida reunida/até parece a do Fla-Flu"-- e lembra algo que não acontece mais na cidade, como o comércio fechado por causa da vitória do clube.

Atualmente, o time, que já teve como patrono o bicheiro Castor de Andrade, disputa a segunda divisão do Estadual do Rio e não conquista o título há mais de 40 anos. A última vez que o Bangu levantou o troféu do campeonato foi em 1966.

A pretensa grandiosidade dos clubes também é destaque nos hinos do Olaria --"Teu esforço e tua glória/estão crescendo dia-a-dia"-- e do Bonsucesso, que tem Leônidas da Silva, um dos poucos jogadores revelados pelo clube, citado na letra. Os dois times nunca conquistaram o Estadual e amargam a periferia do futebol do Rio.

Os hinos que nasceram como marchas foram escritos e apresentados por Babo no programa de rádio "Trem da Alegria", na Rádio Mayrink Veiga, no Rio, nos anos 40.

"Existem algumas versões sobre o composição destas músicas. Anos antes, ele tinha feito o hino do Flamengo, que faz sucesso até hoje. Por isto, uns dizem que ele foi desafiado pelos seus companheiros de programa a compor as marchas restantes. Outros dizem que ele fez essas músicas incentivado por um patrocinador. Ninguém sabe ao certo como começou esta história", disse o músico e produtor Luís Filipe de Lima.

O hino do Canto do Rio é o que mais chama a atenção. Nele, Babo deixa o futebol praticamente de lado para enaltecer uma "morena do Canto do Rio". Segundo pesquisadores, a homenageada era sua namorada na época.

"As marchas destes times não têm o mesmo nível dos hinos eternizados pelos grandes clubes, mas mostra toda a genialidade do Lamartine de fazer boas letras de temas difíceis", disse o cantor Pedro Paulo Malta.

Veja a letra e ouça os hinos esquecidos de Lamartine Babo

BANGU
O Bangu tem também
A sua história, sua glória
Enchendo seus fãs de alegria
De lá pra cá
Surgiu o Domingos da Guia
Em Bangu se o clube vence
Há na certa um feriado
Comércio fechado
A torcida reunida
Até parece a do Fla-Flu
Bangu! Bangu! Bangu!
O Bangu tem também
Como divisa na camisa
O vermelho sangue a brilhar
E faz cartaz
Estouram foguetes no ar
Em Bangu se o clube vence
Há na certa um feriado
Comércio fechado
A torcida reunida
Até parece a do Fla-Flu
Bangu! Bangu! Bangu!

BONSUCESSO
Para a torcida rubro-anil
Palmas eu peço (clap! clap!)
Na Leopoldina em cada esquina
Quem domina é o Bonsucesso
Lá surgiu um jogador sensacional
Surgiu Leônidas, o maioral!
Quando a turma joga em casa
A linha arrasa
Que baile... Que troça!
A torcida grita em coro
Não há choro
A vitória hoje é nossa

MADUREIRA
Nosso ideal é lutar
Lutar por ti, Madureira
Queremos ver tua bandeira
A tremular pelo ar
E assim queridos, unidos
Seremos dez, vinte mil
Em cada glória que temos
Daremos pujança ao esporte do Brasil
És, Madureira
Nosso castelo
A nossa catedral ideal
O sol de muitos anos
Dos tricolores suburbanos

OLARIA
Olaria
Teu esforço e tua glória
Estão crescendo dia-a-dia
Olaria
Tua pujança, tua vida
Envaidecem tua torcida
Olaria
Tua camisa azul e branca
Tem um quê de simpatia
Realizando sonhos mil
Tu serás um pioneiro
Dos esportes do Brasil
Clube da faixa azul celeste
Tu vieste da zona norte
Clube da faixa azul celeste
É o esporte pelo esporte

CANTO DO RIO
Aquela morena
Do Canto do Rio
Que torce e faz cena
E causa arrepio
Queimada da praia
Na hora do jogo
Ela desmaia e pega fogo (oi!)
Aquela morena
Do Canto do Rio
Que torce e se agita
Garota bonita
Basta o club empatar
Ela chora que dói
Foge de Nictheroy
No estádio formoso
De Caio Martins
Há dias de gozo
Foguetes, clarins
De noite e de dia
A turma sorri
Enche de alegria
Icarahy (oi!)

SÃO CRISTÓVÃO
São Cristóvão, São Cristóvão
Teu passado é tão belo
Quantas vitórias em Figueira de Melo
Quando vences outro clube
Oh, São Cristóvão, pertences
Aos corações são-cristovenses
Estimulam a tua fibra extraordinária
Os grandes feitos do saudoso Cantuária
Avante São Cristóvão
Por teu bem, por nosso bem
Pela grandeza dos esportes
Que esta terra tem
És de um bairro cuja história
Tem valor profundo
Bairro ditoso de D. Pedro II
Quando vais à zona sul
Jogar com um clube bem forte
Tens a torcida da zona norte
São Cristóvão, São Cristóvão
Teu passado é tão cheio
Aos teus rivais inspiras sempre receio
Avante São Cristóvão
Por teu bem, por nosso bem
Pela grandeza dos esportes
Que esta terra tem

Especial
  • Saiba o que já foi publicado sobre o Fluminense
  • Saiba o que já foi publicado sobre o Botafogo
  • Saiba o que já foi publicado sobre o Vasco
  • Saiba o que já foi publicado sobre o Flamengo
  • Leia o que já foi publicado sobre o Estadual do Rio
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página