Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
02/10/2009 - 09h23

Campanha brasileira por Olimpíada já consumiu R$ 138 milhões

Publicidade

LUCIANA COELHO
RODRIGO MATTOS
SÉRGIO RANGEL
da Folha de S.Paulo, na Dinamarca

A conta da campanha do Rio deverá chegar a R$ 138 milhões, segundo números divulgados até ontem.

Na noite de quarta-feira, o Congresso aprovou a liberação de mais R$ 30 milhões para o Ministério do Esporte para reforçar a candidatura brasileira.

O valor será repassado na forma de crédito extraordinário, instrumento usado para cobrir despesas emergenciais.

Segundo Ricardo Leyser, secretário do ministério, só R$ 12 milhões da verba serão usados na candidatura brasileira.

"Como esse dinheiro demorou muito a ser aprovado e o comitê [de candidatura] conseguiu parceiro privados, vamos ter apenas que completar a conta", disse Leyser.

O governo federal foi o principal parceiro da Rio-2016. Antes da última liberação, já havia repassado R$ 55,2 milhões diretamente para a candidatura. Outros R$ 25 milhões foram gastos na contratação de consultorias.

Já o Estado e o município do Rio deram juntos R$ 8,6 milhões. Apenas de dinheiro público, a Rio-2016 vai consumir cerca de R$ 100 milhões.

Já a iniciativa privada deu R$ 37 milhões (Bradesco, Odebrecht, TAM, Embratel e EBX). O principal financiador foi o empresário Eike Batista, que doou R$ 23 milhões. Ele é o homem mais rico do país e tem sua fortuna calculada em US$ 7,5 bilhões, segundo a revista "Forbes".

Os Jogos de 2016 deverão custar cerca de R$ 25,9 bilhões, pelas estimativas dos organizadores brasileiros.

Saia justa

Durante entrevista coletiva da Rio-2016, um repórter da Associated Press perguntou ao ministro do Esporte, Orlando Silva, onde estava seu colega Tarso Genro (Justiça) para falar sobre segurança. Genro faz parte da delegação brasileira, mas não apareceu para dar entrevistas.

"Poderíamos organizar um evento para o ministro Tarso Genro, que cuida de programa bem-sucedido que une segurança e cidadania", rebateu Silva.

A imprensa estrangeira tem questionado a candidatura Rio-2016 sobre questões relativas a segurança.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página