Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
24/12/2001 - 00h45

Dona-de-casa de "No Limite" diz que não é racista e culpa estresse

Publicidade

da Folha Online

A dona-de-casa Cláudia Lúcia, a participante mais polêmica da terceira edição do programa "No Limite", da Globo, disse que não é racista e que suas declarações de preconceito no programa foram provocadas pelo estresse.

Ela falou ao vivo na final do programa, que reuniu os 12 participantes nos estúdios da Globo no Rio de Janeiro.

Segundo Cláudia Lúcia, suas declarações foram motivadas pelo estresse que passou no local, graças à fome, à pressão e ao cansaço.

"É um ser humano igual ao outro, é uma pessoa igual a mim, que tem coração, tem sentimentos, tem família. O que muda é a cor. Se eu fico imaginando minha filha casando com um negro, fico imaginando meus netos, tudo sararazinho, eu passando henê neles... Mas eu vou amá-los da mesma maneira, como se ela tivesse casado com um louro nórdico, maravilhoso e tivesse filhos louros e maravilhosos. Eu ia amá-los, são meus netos, mas fico pensando... Eu não acho o cabelo do negro bonito e estou sendo sincera".

Essas palavras foram ditas pela dona-de-casa Cláudia Lúcia, de "No Limite 3". Ela se referia ao possível envolvimento entre a estudante Tatiana, 24, e o modelo Fábio, 23, que dormiram juntos na rede no último episódio do programa. Tatiana é loura e Fábio é negro.

As afirmações renderam declarações de deputados petistas, que divulgaram uma nota de repúdio à Cláudia Lúcia.

A nota foi assinada pelos deputados Luci Choinacki (PT-SC), João Grandão (PT-MS), Paulo Paim (PT-RS), Luiz Alberto (PT-BA), Gilmar Machado (PT-MG), Carlos Santana (PT-RJ).

Leia mais notícias sobre "No Limite"
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página