Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/11/2004 - 09h31

Poeta Paulo Henriques Britto vence Prêmio Portugal Telecom

Publicidade

CASSIANO ELEK MACHADO
da Folha de S.Paulo

Terminou com zebra a segunda edição do prêmio Portugal Telecom de Literatura, ontem à noite, em São Paulo. Um dos autores menos conhecidos entre os dez finalistas, o carioca Paulo Henriques Britto, 53, levou o primeiro lugar do prêmio literário mais rico do país.

Com o volume de poemas "Macau", o professor de literatura da PUC-RJ levou R$ 100 mil. O segundo colocado também veio do Rio. Sérgio Sant'Anna foi premiado com R$ 30 mil pelo livro de contos "O Vôo da Madrugada", assim como o vencedor, editado pela Companhia das Letras.

O gaúcho Luiz Antonio de Assis Brasil completou o pódio com o romance "A Margem Imóvel do Rio" (L&PM editora), que lhe rendeu R$ 20 mil. Dedicou o terceiro lugar a todos os autores marginalizados do Sul.

Outros marginalizados foram lembrados por Henriques Britto após o anúncio do prêmio, em cerimônia na Sala São Paulo. "Escolhi o título "Macau", pequena ilha de língua portuguesa encravada no meio da China, para mostrar o lugar do nosso idioma no cenário mundial", afirmou.

Mais conhecido como tradutor, responsável por versões em português de autores como Philip Roth, Thomas Pynchon e Don DeLillo, o vencedor do Portugal Telecom disse que aprendeu a escrever poesia com Haroldo e Augusto de Campos (que, finalista, não levou nenhum voto) e com as traduções que fez de poetas como Wallace Stevens e Emily Dickinson. Questionado sobre o que faria com o prêmio, o escritor disse que pagaria uma dívida médica (assim como Sérgio Sant'Anna) e trocaria de carro. "O meu já tem 12 anos."

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Paulo Henriques Britto
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página