Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
18/08/2005 - 10h08

Autor de "O Mundo de Sofia" lança livro no Brasil

Publicidade

JULIÁN FUKS
da Folha de S.Paulo

Se há pais que vaidosamente se orgulham de que os filhos os tenham superado, de que tenham voado mais altos vôos e viajado mais longas viagens, Jostein Gaarder poderia ser um deles. Em seu caso, porém, a superação mencionada não vem da família biológica. É a pequena Sofia Amundsen, personagem de "O Mundo de Sofia", traduzido para 55 línguas, quem tem rodado o mundo, conhecido as mais diversas mãos e deslumbrado os mais diversos olhos.

Gaarder, entretanto, não é apenas seu pai. Sofia ganhou o mundo e enviou-lhe fortunas, e o norueguês pôde permanecer em casa, fazendo aquilo que mais lhe agrada: criando histórias e personagens. Só não novas Sofias. Gaarder já quase não se dedica às leituras filosóficas que fizeram sua fama. Até chega a desdenhá-las, como em alguns trechos desta entrevista à Folha.

O escritor chega hoje ao Brasil, onde lança seu novo livro juvenil, "A Garota das Laranjas" (Cia. das Letras, R$ 27, 136 págs.), e participa da Jornada Literária de Passo Fundo (RS), na semana que vem.

Folha - Em "O Mundo de Sofia" você ensina filosofia. Agora, em "A Garota das Laranjas", busca ensinar algo sobre o Universo?

Jostein Gaarder - Realmente falo bastante do Universo no livro, mas não tinha a ambição de ser um professor quando o escrevi. Queria escrever uma história de amor. O que acontece é que o personagem não tem qualquer filtro cultural entre si mesmo e o mundo, preferindo relacionar-se diretamente com o Universo. Vive, assim, uma existência mais nua do que em "O Mundo de Sofia".

Folha - A literatura é uma boa forma de transmitir conhecimento, como ciência ou filosofia?

Gaarder - É a segunda melhor maneira. A melhor é a conversa, o diálogo com os jovens ou entre professor e aluno. Sempre, desde a antiga filosofia grega, o diálogo entre as pessoas vivas foi a melhor maneira de lidar com a filosofia.

Folha - Filosofia e ciência devem se popularizar?

Gaarder - Com certeza, especialmente a ciência. Muito pouco da ciência moderna está popularizado. Não leio mais tanta filosofia nem tantos romances, leio biologia, astrofísica. As grandes questões filosóficas, como a natureza do Universo ou a existência de Deus, hoje são discutidas pelos cientistas, não mais pelos filósofos. Filósofos agora discutem linguagem, arte, coisas assim.

Folha - Como concilia essa atenção à ciência com a religiosidade e o misticismo que há em seus livros?

Gaarder - Pertenço à Igreja Católica e, embora não creia nela como revelação da verdade divina, encontro nela a mais importante filosofia moral. Tenho uma aproximação religiosa da vida porque sinto que minha vida e a existência do Universo são um truque mágico. Acredito na natureza do Universo por si só, e o experimento como uma revelação. O que é místico são essas existências.

Folha - Você sempre usa uma linguagem acessível a jovens. Que idade prefere para seus leitores?

Gaarder - Varia de livro para livro. Mas acredito que uma boa história para crianças pequenas será também uma boa história para adultos, embora o contrário não seja sempre verdadeiro.

Folha - O mais importante na literatura é a história?

Gaarder - Sim, não precisamos dos livros, mas das histórias. Diversas sociedades no mundo nunca tiveram livros, mas nenhuma prescindiu das histórias. Na sociedade moderna, perdemos o hábito de contá-las e começamos a esquecê-las. Por isso, tivemos que escrevê-las. Cem anos atrás, por exemplo, não havia qualquer livro infantil na Noruega. Mas havia muitas histórias, mais do que podemos encontrar hoje.

Folha - Você escreve o mais profunda e eloqüentemente que pode ou prefere a simplicidade?

Gaarder - Tento ser simples. O pensamento claro é simples e pode ser explicado facilmente. E procuro a beleza também. Como seres humanos, temos um senso estético e somos especiais por podermos ver algo como bonito.

Folha - Como é escrever depois do sucesso de "O Mundo de Sofia"?

Gaarder - Quando o escrevi, estava convencido de que teria poucos leitores. Até disse para minha mulher que não esperasse qualquer renda extra. Estava completamente errado, pois foi um abridor de portas para mim. Porém, é um livro tão especial, tão diferente, que não me atrapalha quando escrevo novas histórias. Com ele, só tinha apenas planos pedagógicos e a única ambição de ser um professor. Com outros livros, o que quero é contar histórias.

Folha - O que você espera da Jornada de Passo Fundo?

Gaarder - O que me surpreendeu foi que eu nunca tinha ouvido falar da cidade e até penei para encontrá-la no mapa. É fascinante que uma cidade tão pequena esteja organizando esse evento.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Jostein Garder
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página