Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
27/03/2007 - 19h48

Objetos inusitados invadem Londres em exposição surrealista

Publicidade

da France Presse, em Londres

Um telefone-lagosta, um sofá na forma dos lábios de Mae West ou jóias adornadas com estrelas-do-mar.

O mundo do surrealismo invadiu Londres, com uma mostra dedicada ao surpreendente estilo artístico no museu Victoria and Albert.

Divulgação
"Ruby Lips Brooch" (1949), de Salvador Dalí, invadiu Londres, em mostra de surrealismo
"Ruby Lips Brooch" (1949), de Salvador Dalí, invadiu Londres, em mostra de surrealismo
A exposição "Coisas Surrealista" (Surreal Things) ressalta a influência do movimento na obra de artistas como os espanhóis Salvador Dalí, Joan Miró e Oscar Domínguez --além de Matta, de Max Ernst, Giacometti, Magritte, Man Ray e Duchamp, entre outros.

Com 300 objetos, fotografias, pinturas, esculturas, móveis exóticos e fantásticos, a mostra explora como a estética surrealista afetou do teatro à arquitetura, passando pela moda, cinema, decoração, vestuário e cenários dos balés russos.

Divulgação
"Table with Bird's Legs" (1939), obra surreal de Meret Oppenheim
"Table with Bird's Legs" (1939), obra surreal de Meret Oppenheim
"O surrealismo é responsável por alguns dos objetos mais visualmente surpreendentes do século 20", disse nesta terça-feira a curadora da exposição, Ghislaine Wood, durante a apresentação à imprensa da mostra que será inaugurada quinta-feira (em exibição até 22 de julho).

Divulgação
"Mae West Lips Sofa" (1938), de Salvador Dalí e Edward James, em exposição em Londres
"Mae West Lips Sofa" (1938), de Salvador Dalí e Edward James, em exposição em Londres
Estarão em exibição móveis surrealistas, como um armário enganoso desenhado por Marcel Jean, jóias de pele, uma "jaqueta afrodisíaca", criada por Salvador Dalí --que também desenhou o telefone-lagosta e o sofá Mae West, cuja cor rosa pink entrou em moda pela estilista Elsa Schiaparelli.

A mostra deixa claro que a influência do surrealismo --termo criado por Apollinaire em 1917, do qual se apropriou André Breton para descrever um movimento artístico, filosófico e poético que brinca com as percepções do mundo-- persiste no mundo contemporâneo.

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre o Victoria and Albert Museum
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página