Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/10/2004 - 10h46

Soft para iniciante facilita edição de vídeo digital

Publicidade

da Folha de S.Paulo

A Adobe (www.adobe.com.br) está lançando uma versão simplificada de seu programa de edição de vídeo profissional, o Premiere, seguindo estratégia adotada pela Pinnacle e pela Apple. O novo software, que se chama Premiere Elements e foi testado com exclusividade pela Folha, se destina ao usuário doméstico que tem uma câmera e deseja fazer filmes.

O Elements tem muitos dos recursos do Premiere, mas seu painel foi modificado para tornar mais óbvio o processo de captura, edição e finalização de vídeos. A barra de botões traz cinco opções, da esquerda para a direita: Capture (para transferir o conteúdo de uma fita para o micro), Edit (para apagar, cortar e reorganizar cenas), Effects (para acrescentar transições animadas e retocar a imagem e o som), Titles (gerador de caracteres), DVD (para gravar o resultado num DVD) e Export (para gerar um arquivo de vídeo no formato QuickTime, Windows Media ou MPEG).

A captura de vídeo digital continua exigindo muito espaço no disco rígido do micro --como o Elements captura com resolução total, ou seja, não tem o sistema de compressão e descompressão automática presente em outros softwares, cada hora de gravação requer cerca de 13 Gbytes.

Se o seu PC tem pouco espaço, a solução mais simples é instalar um disco rígido externo (um exemplo é o LaCie de 250 Gbytes, que custa R$ 1.739 em www.superkit.com.br).

O Elements tem uma função de cortes automáticos que facilita muito a edição (ela detecta e separa em arquivos distintos as cenas contidas na fita). Apesar disso, o software não é tão fácil de usar quanto o editor Windows Movie Maker, que vem embutido no sistema Windows XP. As opções do Movie Maker são descritas de modo mais explícito e organizadas em ordem mais lógica.

A função SteadyMove, que faz parte da versão profissional do Premiere e serve para reduzir tremores em cenas gravadas em movimento, não existe no Elements.

Essa é a única falha da coleção de plug-ins (acessórios inclusos no software), que é muito boa: reúne muitas opções, tem organização fácil --você pode criar uma pasta com os seus plug-ins preferidos-- e permite que o resultado seja avaliado imediatamente, ou seja, sem esperar a renderização (processamento) do vídeo.

O Elements se destaca na finalização dos vídeos. Se o micro tiver um gravador de DVD, é possível criar menus de aparência profissional e dividir o vídeo em capítulos. Além disso, o programa também gera discos nos formatos VCD e SVCD, algo importante para computadores que só têm gravador de CDs.

Seu ponto fraco é o preço --o valor no Brasil não foi divulgado, mas, nos EUA, o produto custa US$ 100. Isso permite deduzir que, no Brasil, ele custará pelo menos o triplo do concorrente Pinnacle Studio (R$ 120; www.pinnaclesysla.com).

Software grátis

Se você não quer gastar, mas está cansado do Windows Movie Maker, experimente o Avid FreeDV. Gratuito (42,1 Mbytes; www.avid.com/freedv), ele é uma versão básica da linha Avid, altamente respeitada entre profissionais de TV e cinema. O software tem interface um pouco confusa e apresenta limitações --aceita no máximo duas pistas de áudio e duas de vídeo em cada filme--, mas traz bons recursos, como exportação no formato QuickTime e exibição do Timecode (referência que permite cortar e montar cenas com total precisão).

Especial
  • Arquivo: leia mais sobre vídeo no computador
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página