Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
22/02/2002 - 20h47

Saiba quem foi o líder da Unita, Jonas Savimbi

Publicidade

da France Presse, em Luanda

O líder da União Nacional para a Independência Total da Angola (Unita), Jonas Savimbi, 67, que morreu hoje durante um combate, foi sempre caracterizado como um personagem enigmático e controvertido, marcado por uma dupla formação: protestante e maoísta.
Reuters
Jonas Savimbi, líder da Unita

Savimbi era membro da etnia ovimbundu, um povo de agricultores estabelecidos no centro do país, que representa 40% da população angolana. Ele nasceu no dia 3 de agosto de 1934 e ficou marcado pela forte personalidade de seu pai, um severo pastor protestante.

Aluno brilhante, o líder rebelde conseguiu ser um dos poucos angolanos negros que durante o período colonial estudou na Universidade em Portugal, onde cursou medicina graças a uma bolsa de estudos oferecida por grupos religiosos norte-americanos.

Em 1960, deixou Lisboa e foi à Suíça, onde começou a se interessar seriamente por política. Em 1966 fundou seu próprio partido: a Unita, depois de obter na China uma formação militar e política que influenciou o partido.

Depois que o MPLA (Movimento Popular para a Libertação de Angola) chegou ao poder logo após a independência em 1975, o líder da Unita iniciou sua guerrilha, que deixou cerca de 500 mil mortos.

Depois de voltar à clandestinidade em 1992, Savimbi, que se considerava um socialista democrata, assumiu o controle de Huambo (centro da Angola), a segunda maior cidade do país e que se tornou a sua base de operações, enquanto suas tropas controlavam as províncias do norte.

Quase sempre trajando um uniforme militar verde-oliva, com um revólver na cintura e um bastão na mão, o guerrilheiro, autoritário e intransigente, dirigiu um exército composto por cerca de 3.000 homens.

A Unita anunciou em março de 1998 sua desmilitarização total e se transformou em partido político, o qual deu a Jonas Savimbi o status de chefe da oposição, com privilégios que fizeram dele um dos principais homens do Estado.

Em 1998, a Unita se dividiu em dois e o conflito recrudesceu. O parlamento então votou em outubro de 1998 pela abolição do estatuto especial de Savimbi.

No final de janeiro de 1999, o governo da MPLA declarou guerra à Unita e, em julho do mesmo ano, foi decretada a ordem de prisão contra Savimbi por "rebelião armada, sabotagem, tráfico e utilização de métodos de guerra proibidos".

Savimbi chegou a ser condecorado como "defensor da liberdade" pelo ex-presidente dos EUA Ronald Reagan, em plena Guerra Fria. Só no governo Clinton Washington reconheceu oficialmente o governo do MPLA.

Leia mais:
  • Líder da Unita Jonas Savimbi morre em combate na Angola

  • Governo da Angola divulga nota sobre morte de líder da Unita

  • Morte de líder da Unita não significa paz, diz embaixador

  • Governo português espera confirmação da morte de líder da Unita

  • "Múltiplas fontes" confirmam morte de Savimbi, diz EUA

  • Entenda os conflitos políticos da Angola
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Ford Fiesta Ford Fiesta Confira aqui! A partir de R$ 15.749

    Notebook Notebook LED, HDMI e USB, a partir de 14x de R$ 62,23

    Home Theater | Tênis | Mais...