Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
21/10/2003 - 00h00

Entenda a situação na Irlanda do Norte

Publicidade

da Folha Online

No dia 14 de outubro, o Reino Unido retomou o controle do governo da Irlanda do Norte em meio a uma crise de espionagem --que sugere que a guerrilha IRA (Exército Republicano Irlandês, guerrilha católica) teria espionado funcionários do governo. O fato provocou a pior crise entre os dois governos desde o acordo de paz de 1998 entre protestantes e católicos.

O sistema de divisão do poder já foi suspenso quatro vezes desde que foi colocado em prática, há quatro anos. A mais longa suspensão é a atual, que já dura um ano.

Apesar da suspensão do governo irlandês, foi mantido o compromisso com os termos do Acordo da Sexta-Feira Santa, de 1998, e as eleições parlamentares regionais previstas para maio de 2003 devem acontecer em novembro. O Acordo de Paz de Sexta-Feira Santa foi assinado pelas partes em conflito em 10 de abril de 98 e aprovado em referendo popular, determinando a criação de uma Assembléia da Irlanda do Norte, a libertação de presos políticos e a deposição de armas pelos grupos paramilitares.

Os unionistas protestantes (60% da população), querem que a região continue ligada ao Reino Unido. Nacionalistas católicos querem a reunificação com a República da Irlanda, um país de maioria católica.

A violência entre os dois lados já dura 35 anos e envolve paramilitares unionistas e terroristas católicos, cujo principal grupo é o IRA (Exército Republicano Irlandês), e já matou 3.600 pessoas desde 1969.

Embora o IRA tenha renunciado ao terror e entregue parte de seu arsenal, grupos católicos dissidentes e radicais unionistas continuam a atuar e a ameaçar o processo de paz.

 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Geladeiras Geladeiras Frost Free, Duplex, a partir de R$ 862,20

TV TV LED, 3D, FULL HD e Smart a partir de R$ 399,90

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página