Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
07/08/2003 - 12h20

Atentado à Embaixada da Jordânia em Bagdá mata 11

da Folha Online

Um carro-bomba explodiu hoje em frente à Embaixada da Jordânia em Bagdá, capital do Iraque, deixando ao menos 11 mortos, incluindo duas crianças e uma mulher, e mais de 50 feridos, segundo fontes médicas.

Após a explosão, que ocorreu às 11h (4h em Brasília), dezenas de iraquianos saquearam a embaixada, arrancaram a bandeira jordaniana e queimaram retratos do rei Abdullah 2º e de seu pai, o falecido rei Hussein.

O motivo do ataque não está claro e nenhum grupo se responsabilizou pela autoria do atentado. A explosão ocorreu uma semana depois de a Jordânia dar asilo a duas filhas do ex-ditador iraquiano Saddam Hussein.

O general americano Ricardo Sanchez, comandante das tropas terrestres no Iraque, disse que a ação foi feita por "terroristas profissionais".

Suhaib Salem/Reuters
Iraquianos observam área da embaixada jordaniana em Bagdá atingida pela explosão de um carro-bomba
Segundo o chefe da polícia iraquiana, Ahmad Suleiman, quatro civis foram mortos em um carro atingido pela explosão e cinco policiais que vigiavam a embaixada também morreram.

Fontes de hospitais declararam que um total de 11 pessoas morreram e cerca de 50 ficaram feridas.

Quatro carros foram destruídos, e os muros da embaixada foram atingidos por um incêndio. Uma parte do muro caiu, e a guarita onde estavam os guardas da embaixada foi projetada contra o pátio da sede diplomática.

O cônsul da Jordânia, Karim Shushan, está entre os feridos, disse Ahmed al-Bakri, médico do hospital Yarmuk. Shushan fraturou a perna direita e a coxa direita e também estava recebendo tratamento para ferimentos internos, disse o médico.

As sirenes das ambulâncias não paravam de tocar em frente do hospital, onde pessoas cobertas de sangue eram transportadas pelos enfermeiros.

Acredita-se que a bomba tenha sido colocada em um microônibus estacionado do lado de fora da embaixada e detonada à distância. Militares americanos inspecionaram o lugar da explosão, onde um tanque do Exército se posicionou. Outros tanques americanos cercaram a área.

O governo jordaniano classificou o atentado de "ato criminoso" e de "operação terrorista covarde". A Jordânia recebeu recentemente as duas filhas do presidente iraquiano deposto, Saddam Hussein.

Com agências internacionais

Especial
  • Saiba tudo sobre a guerra no Iraque
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

    Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

    Home Theater | Tênis | Mais...

    Voltar ao topo da página