Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/01/2010 - 18h20

Hillary Clinton chega ao Haiti para estender ajuda americana

Publicidade

da Folha Online

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, chegou hoje ao Haiti para tentar investigar um meio de agilizar a resposta humanitária à devastação causada naquele país por um forte terremoto, na terça-feira passada (12). A capital Porto Príncipe ficou virtualmente arrasada, e milhares de pessoas morreram.

Ontem (15), ao anunciar a viagem, Hillary disse que as equipes de vários países lutavam "contra o relógio" para socorrer as vítimas do tremor.

Hillary chega a Porto Príncipe em um avião carregado de ajuda humanitária e acompanhada do diretor da USAid (agência americana para ajuda externa), Rajiv Shah. Os dois americanos irão se reunir com o presidente haitiano, René Préval, e com as equipes de socorro, além de visitar a região afetada pelo terremoto.

Segundo Hillary, durante a viagem, ela comunicará ao povo haitiano o "apoio incondicional a longo prazo" de seu país na reconstrução do Haiti. "Eu voltarei com alguns americanos que esperam ser retirados, por isso também há razões muito tangíveis" para a viagem, afirmou ontem a chefe da diplomacia americana.

Hillary acrescentou que não deverá deixar a área do aeroporto para não atrapalhar os trabalhos de resgate e para que o uso de automóveis seja exclusivo para o transporte de socorristas e profissionais de saúde. Quando voltar de viagem, ela deverá telefonar para outros líderes mundiais e informá-los dos esforços humanitários no Haiti.

Mais cedo, o presidente, Barack Obama, fez um pronunciamento ao lado dos antecessores George W. Bush (2001-2009) e Bill Clinton (1993-2001) e anunciou a criação de um website para receber doações em dinheiro dos americanos. "Eu contatei o presidente [haitiano René] Préval e falei com pessoas no local para que todo mundo no Haiti saiba que haverá ajuda contínua no caminho", disse Obama.

Bush explicou que o melhor jeito de fazer doações é enviar dinheiro, que será repassado a organizações de ajuda humanitária. "Sei que muita gente quer mandar água, comida. O que o presidente vai fazer é ter certeza que [o dinheiro] vai ser bem gasto", disse o republicano, que deixou a Casa Branca com uma das menores popularidades da história.

Enviado especial da ONU (Organização das Nações Unidas) para o Haiti, Clinton lamentou a perda de vidas no terremoto e disse que conhecia muitos dos mortos na tragédia e inclusive ficou em hotéis que desabaram diante da força do tremor. "[O Haiti] ainda é um dos lugares mais marcantes que eu já fui. Eles podem construir um futuro melhor e eles conseguirão, se fizermos nossa parte", disse.

Também hoje, o vice-presidente Joe Biden visitou líderes da comunidade haitiana em Miami chamada de "Little Haiti". Ele disse que o país tem usado "todos os recursos disponíveis do governo" para ajudar as vítimas do terremoto. "Por parte da administração lhes digo que nosso coração dói pela situação por vocês. Esta não é mais uma operação maciça de ajuda... é algo pessoal", disse.

Comentários dos leitores
Ze Vitrola (72) 02/02/2010 20h53
Ze Vitrola (72) 02/02/2010 20h53
Gandin, escreveu:
" ... imagino que uma pessoa fale tanto mal do presidente, não deva nem jogar lixo na lixeira e, sim, em via pública da janela do importado dele. (risos).
~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
Vc é um daqueles que nem sabe o que fala ou escreve, então a gente precisa desenhar. Se vc nunca me viu, não sabe se sou mais magro ou mais gordo, como pode inventar uma asneira dessa para ter o que escrever? Isso é ser leviano, infantil.
sem opinião
avalie fechar
marcos cesar fernandes (232) 02/02/2010 19h10
marcos cesar fernandes (232) 02/02/2010 19h10
Sr. Jose R. N. Filho. Gostei muito de seu testemunho e isso prova que há pessoas que sabem aproveitar os limões que a vida lhe oferecem e transforma-los em limonada. No caso das crianças haitianas houve muito desrespeito, pois o país, apesar de viver uma situação caótica, ainda tem suas leis e leis devem ser respeitadas.
No Brasil existem as leis que pegam e as que não pegam. Dentre as que pegaram está a Lei de Gerson, infeliz propaganda de cigarro feita por quem pela lógica deveria ser totalmente contra, por tratar-se de um atleta. Não podemos esquecer que o tabagismo, assim como o alcoolismo, são agentes causais da pressão alta. Como essa lei vale para todas as camadas socias, possivelmente existem milhares de mães pelo Brasil afora que se sentem orgulhosas quanto seus filhos fazem uso dela e se tornam cidadãos expressivos na sociedade, não por seus feitos positivos, mas por obterem prestígio e admiração justamente por serem espertos e aproveitadores.
Vejo como um fator positivo para o Haiti a sua proximidade com os EUA e seu grande mercado. Se se aproveitar o clima tropical para produzir frutas como o abacaxi e o mamão papaya que praticamente só é produzido no Hawai, o Haiti terá um importador garantido, e nestas duas culturas nós brasileiros somos experts. Pode-se aproveitar o clima da ilha para produzir cacau, abacate, seringais, uvas etc.
Cabe a agora aos paises com bom know-how agrícola se disporem a ajudar o Haiti, e só assim sairão desse estágio de atrazo.
sem opinião
avalie fechar
Regina Martins (141) 02/02/2010 09h27
Regina Martins (141) 02/02/2010 09h27
Para onde estão sendo levadas as crianças haitianas?
Para uma vida melhor, uma adoção justa?
Ou serão escravos de pessoas ditas boazinhas?
Acho q a UNICEF tem a obrigação de apurar.
7 opiniões
avalie fechar
Comente esta reportagem Veja todos os comentários (1046)
Termos e condições
 

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página