Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
17/05/2004 - 15h45

EUA dizem ter encontrado artefato contendo gás sarin

Publicidade

da Folha Online

Um artefato supostamente carregado com gás sarin explodiu próximo a um comboio militar americano em Bagdá (capital), mas não causou vítimas, informou nesta segunda-feira o porta-voz do comando militar dos Estados Unidos no Iraque, general Mark Kimmitt.

Desenvolvido no meio da década de 30 por cientistas nazistas, o gás sarin age paralisando os sistemas nervoso e respiratório. Uma pequena quantidade do gás pode causar uma morte agonizante.

Ao inalar o gás, pupilas se contraem e a visão fica embaçada. Com doses baixas há apenas dores no peito e falta de ar.

"O Grupo de Inspeção Iraquiana confirmou hoje que foi encontrado um artefato de 155 milímetros contendo gás sarin", disse Kimmitt. "A detonação ocorreu antes que o artefato fosse desarmado, o que causou uma pequena dispersão de gás", afirmou.

Segundo Kimmitt, o incidente aconteceu "há alguns dias". O general afirmou que acredita ser o primeiro caso em que as forças americanas encontraram um artefato contendo sarin.

De acordo com Kimmitt, os oficiais americanos acreditam que a arma é proveniente do estoque do regime de Saddam Hussein [presidente deposto no ano passado pela intervenção militar liderada pelos EUA]. "O antigo governo [iraquiano] declarou que todos os artefatos semelhantes a esse foram destruídos antes da Guerra do Golfo, em 1991", disse.

O Grupo de Inspeção Iraquiana é uma organização americana cuja tarefa é procurar por armas de destruição em massa após a queda de Saddam.

A suposta presença de armas de destruição em massa no Iraque foi um dos pretextos usados pelos EUA para liderar a ocupação no país e depor o ditador.

David Kay, o ex-chefe da equipe americana de busca de armamentos no Iraque, minimizou a questão da descoberta. "É difícil saber se essa é uma que ficou fora [da destruição] --sabíamos que algumas haviam escapado-- ou se vem de algum arsenal escondido. Duvido um pouco disso, porque parece que os insurgentes não sabiam que tinham uma cápsula química", disse.

Com agências internacionais

Especial
  • Leia mais sobre o Iraque ocupado
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página