Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/10/2005 - 08h09

Acordo entre partidos deve levar Merkel à Chancelaria alemã

Publicidade

da Folha Online

A líder conservadora Angela Merkel deve se tornar a primeira mulher a ocupar a Chancelaria da Alemanha devido a um acordo aprovado nesta segunda-feira entre os representantes da União Democrata Cristã (CDU) e da União Social Cristã (CSU) --partidos da coalizão de direita--, e membros do Partido Social Democrata (SPD), do atual chanceler alemão, Gerhard Schröder.

Agências de notícias internacionais, como France Presse e Reuters, citam fontes de ambos os partidos --que não quiseram se identificar-- confirmando um acordo entre as duas legendas, promovendo Merkel à Chancelaria alemã. O anúncio oficial ainda não foi realizado e é possível que ocorra ainda nesta segunda-feira.

De acordo com a France Presse, a diretiva do SPD aceitou nesta segunda-feira "por ampla maioria", a formação de uma grande coalizão entre os dois partidos, com a liderança de Merkel. Em troca, os social-democratas obtiveram alguns postos-chave do novo governo, como os Ministérios das Relações Exteriores, Finanças, Trabalho e Justiça.

Os conservadores de Merkel devem ficar com os ministérios da Defesa, Interior, Agricultura, Famílias, Educação e Economia, pasta que deverá ser dirigida pelo diretor do CSU, Edmund Stoiber.

Futuro

A imprensa alemã publicou nesta segunda-feira que Schröder não deve participar do novo governo. Durante a reunião ocorrida hoje entre os líderes de governo e de ambos os partidos, o chanceler teria afirmado que seu plano de vida "é outro".

Nas múltiplas apostas feitas nas últimas semanas, falou-se sobre a possibilidade de Schröder estar disposto a assumir o posto de vice-chanceler e o Ministério das Relações Exteriores, sob um governo de Merkel, mas nada foi confirmado oficialmente.

O porta-voz de Schröder, Bela Anda, afirmou, ao ser questionado nesta segunda-feira se o chanceler estará na cúpula da UE (União Européia), que deve ocorrer este mês em Londres, respondeu que Schröder "deixou clara sua disposição" de ir, caso seja necessário porque a "Alemanha deve estar representada".

Eleições

As eleições legislativas alemãs foram realizadas em 18 de setembro passado, e ambos os líderes --Schröder e Merkel-- tiveram uma expressiva votação na Alemanha.

A vantagem da líder conservadora sobre o chanceler alemão foi de menos de 1% nas urnas, e nenhum dos partidos conseguiu obter a maioria no Parlamento.

Por conta disso, Schröder tentou manter o poder e, de início, insistiu em permanecer na Chancelaria, gerando uma crise política no país, que culminou na discussão para a formação de uma grande coalizão entre ambos os partidos.

Com agências internacionais

Especial
  • Enquete: quem será o próximo chanceler alemão?
  • Leia o que já foi publicado sobre Gerhard Schröder
  • Leia o que já foi publicado sobre Angela Merkel
  • Leia cobertura completa sobre as eleições na Alemanha
  • Leia o que já foi publicado sobre as eleições legislativas alemãs
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página