Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
10/10/2005 - 22h42

Futura oposição alemã comemora acordo e critica divisão de cargos

Publicidade

da Efe

Os três partidos que formarão a oposição parlamentar na Alemanha comemoraram nesta segunda-feira o fato de conservadores e social-democratas terem chegado a um acordo para uma grande coalizão, para assim poderem passar o mais rápido possível ao trabalho opositor.

O partido dos Verdes, aliado da coalizão de governo que está saindo, comemorou o acordo entre os dois grandes partidos, mas criticou o "comércio" na distribuição de cargos.

"Enquanto os cidadãos e cidadãs se perguntam o que vai acontecer, a União Cristã (CDU/CSU) se pergunta quem vai ser o que", criticou o co-presidente dos Verdes, Reinhard Bütikofer. "Foi um começo ruim para uma grande coalizão", disse.

O co-presidente do grupo parlamentar desse mesmo partido, Fritz Kuhn comemorou o fato de ter acontecido um acordo, apesar de ter sido "um parto difícil".

Todos os políticos verdes coincidiram em anunciar sua intenção de fazer "muito rapidamente" uma oposição "com garra", e reivindicarão reformas em assuntos relacionados à educação, trabalho e direitos das minorias.

Acordo

O Partido Liberal (FDP) --que, caso a matemática eleitoral tivesse permitido, seria o aliado desejado dos conservadores --comemorou o acordo, mas lamentou que o atual chanceler, Gerhard Schröder, "tenha levado quase três semanas para reconhecer a constelação de forças no Parlamento".

O presidente do partido, Guido Westerwelle, afirmou que, apesar de suas boas relações pessoais com Merkel, o FDP não elegerá a líder da CDU quando for submetida à votação parlamentar, já que "seremos oposição, e não a roda de reposição de uma grande coalizão".

Apesar de tudo, Merkel poderá contar com um FDP disposto a fazer uma oposição "crítica e construtiva", disse Westerwelle.

Críticas

O líder liberal criticou o fato de os conservadores já terem cedido tanto diante dos social-democratas, mesmo antes do início formal das negociações de coalizão.

"Em troca de obter a Chancelaria, a União esteve disposta a sacrificar partes fundamentais do que teria sido uma guinada na política", disse Westerwelle.

Finalmente, por parte do Partido de Esquerda --formado por pós-comunistas e pela dissidência social-democrata--, o presidente da formação, Lothar Bisky, disse que com Merkel só haverá "uma mudança de aparência na Chancelaria", mas não a mudança que poderia acontecer pelo fato de ser a primeira mulher, e do leste, a chegar à Chancelaria.

Segundo Bisky, Merkel não aproveitou a oportunidade de simbolizar uma política que defende a "igualdade de direitos entre homem e mulher", e a "igualdade das condições de vida entre o leste e o oeste da Alemanha".

Com agências internacionais

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre Gerhard Schröder
  • Leia o que já foi publicado sobre Angela Merkel
  • Leia cobertura completa sobre as eleições na Alemanha
  • Leia o que já foi publicado sobre as eleições legislativas alemãs
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página