Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
01/11/2005 - 16h00

Futuro ministro alemão rejeita cargo e afunda novo governo em crise

Publicidade

da Folha Online

O líder conservador Edmund Stoiber, que iria assumir o Ministério alemão da Economia após 22 de novembro, data em que deve ocorrer a posse da nova chanceler do país, Angela Merkel, anunciou nesta terça-feira sua saída da futura plataforma de governo.

Segundo o jornal francês "Le Monde", Stoiber propôs a nomeação do dirigente conservador Michael Glos como futuro ministro da Economia. A decisão final caberá à Merkel. Em um breve comunicado divulgado nesta terça-feira, ela disse aceitar a decisão tomada.

Efe
Stoiber anuncia que não fará parte do governo de Merkel

Stoiber é líder da União Cristã Social (CSU), parte da coalizão conservadora que, junto ao partido de Angela Merkel, a União Democrata Cristã (CDU), levou a direita alemã ao poder nas eleições legislativas realizadas em 18 de outubro passado.

Em declaração aos repórteres, na cidade de Munique (Estado da Baviera), Stoiber disse que "a situação mudou" depois que o vice-chanceler alemão, Franz Müntefering, afirmou que iria deixar a liderança do Partido Social Democrata (SPD), de Gerhard Schröder --atual chanceler alemão-- e "provavelmente" não faria parte do governo de Merkel.

"É uma situação diferente. Eu cheguei a essa decisão como líder do partido e posso defender melhor os interesses do CSU como governador da Baviera", afirmou Stoiber.

O líder do CSU descreveu Müntefering, com quem ele trabalhara com sucesso no passado, como uma das "pedras fundamentais" do governo de Merkel.

Em entrevista à rede de TV pública ZDF, --de acordo com o "Le Monde"--, Stoiber disse que sua saída se deve a um "conflito de idéias" com Merkel, mais especificamente sobre a ampliação dos assuntos que o Ministério alemão da Economia deveria abarcar.

Medo

Após a saída de Stoiber, partidos políticos alemães disseram nesta terça-feira que vão fazer pressões para a manutenção do governo, devido aos temores de que a coalizão formada entre o SPD, o CSU e o CDU não resista até a posse.

Stoiber teve um papel crucial nas negociações da grande coalizão de governo, extremamente importantes para a configuração da nova plataforma governamental alemã. Após as eleições legislativas, a diferença entre o partido de Schröder --que também disputava a Chancelaria-- e Merkel era de cerca de 1%.

O anúncio de Müntefering sobre sua desistência da liderança do SPD --que irá fazer eleições internas para a escolha de um novo líder-- tornou a formalização de uma coalizão entre conservadores e centro esquerdistas ainda mais difícil. Ele era considerado uma figura-chave, como Stoiber, na negociação entre os dois partidos.

Em carta enviada ao partido nesta terça-feira, Müntefering afirmou que ajudaria o SPD a realizar a transição para "as lideranças mais jovens" e deixou aberta a possibilidade de auxiliar também no estabelecimento da grande coalizão governamental. O SPD deve anunciar o sucessor de Müntefering nesta quarta-feira.

Com agências internacionais

Especial
  • Leia cobertura completa sobre as eleições na Alemanha
  • Leia o que já foi publicado sobre Gerhard Schröder
  • Leia o que já foi publicado sobre Angela Merkel
  • Leia o que já foi publicado sobre as eleições legislativas alemãs
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página