Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
03/02/2006 - 18h33

Mais de 3 milhões de eleitores vão às urnas no Haiti

Publicidade

da Folha Online

Mais de 3 milhões de eleitores devem ir às urnas no Haiti no próximo dia 7 para eleger um novo presidente entre 34 candidatos e 130 deputados entre 1.300 candidatos, em um conturbado processo eleitoral.

As eleições são as primeiras a ocorrer no país depois da queda de Jean-Bertrand Aristide, em fevereiro de 2004, após uma rebelião armada e forte pressão dos EUA e da França para que ele deixasse o poder. A data da eleição foi confirmada após o suicídio do general brasileiro Urano Teixeira da Matta Bacellar, 58, que era chefe da Missão de Estabilização da ONU (Organização das Nações Unidas) no Haiti (Minustah).

O general brasileiro José Elito Carvalho Siqueira assumiu o comando militar da Minustah no último dia 23. O Brasil dirige um contingente militar de 7.500 homens [dos quais 1.200 são brasileiros, além de cerca de 2.000 policiais. O mandato atual vai até 15 de fevereiro, mas deve ser renovado

Uma semana antes das eleições, muitos eleitores não sabiam onde votar, outros descobriram que teriam de caminhar quilômetros para chegar aos postos eleitorais, em um país tomado pela violência entre gangues e pelos freqüentes seqüestros que aterrorizam a capital, Porto Príncipe.

O Conselho Eleitoral Provisório afirma, no entanto, que já elaborou a lista de centros de votação e informou que em Cité Soleil --região mais perigosa e instável de Porto Príncipe-- não será instalado posto por causa das precárias condições de segurança da área.

Cerca de 9 mil membros das forças de paz da ONU (Organização das Nações Unidas) patrulharão os cerca de 8,5 milhões de haitianos, em suporte à força policial nacional de cerca de 4.000 integrantes.

Além dos problemas em relação aos postos, cerca de 20% dos eleitores ainda não receberam seus cartões de identificação.

Críticas

Alguns candidatos e dirigentes de partidos políticos têm manifestado dúvidas sobre a manutenção da data das eleições, em razão da persistência de alguns problemas técnicos, que obrigaram as autoridades a adiar a votação --que inicialmente deveria acontecer em novembro.

"Não seremos capazes de resolver todos os problemas a tempo, seriam necessários entre quatro a seis meses para isso", afirmou Max Mathurin, presidente do Conselho Eleitoral.

O candidato presidencial Paul Denis afirma que o pleito será um dia de "frustração e ira" sem precedentes para os eleitores haitianos.

"O governo interino, apoiado pela comunidade internacional, escolheu deliberadamente impedir a população de votar forçando os eleitores a caminharem oito horas para chegar a um posto eleitoral", disse Denis. "Será a eleição mais desorganizada da história recente do Haiti. Isto é um escândalo."

Postos

Autoridades decidiram estabelecer postos de votação maiores em vez de pequenas seções eleitorais. Alguns dos postos maiores concentram até 40 locais votação. Críticos afirma que isso causará caos, deixando milhares de eleitores procurando a seção correta.

"Imagine 16 mil pessoas em um prédio relativamente pequeno, procurando por uma seção eleitoral em uma lista na qual seus nomes não podem ser achados", afirmou Himler Rebu, candidato à Presidência. "Será uma grande bagunça."

Muitos eleitores ainda não sabem o local onde irão votar porque o Conselho Eleitoral não forneceu os endereços dos postos. Segundo autoridades, a medida foi tomada por questões de segurança.

Pesquisas

As poucas pesquisas sobre intenção de voto que circulam pelo Haiti apontam que René Preval --ex-presidente haitiano entre 1996 e 2001 e ex-primeiro-ministro de Aristide-- é o grande favorito para as eleições.

Se Preval não vencer já no primeiro turno, deve sair vitorioso no segundo, pleito previsto para 19 de março.

O empresário têxtil Henry Charles Baker --único candidato independente e branco-- aparece em segundo lugar nas pesquisas, seguido pelo ex-presidente Leslie Manigat.

Com agências internacionais

Especial
  • Leia o que já foi publicado sobre as eleições no Haiti
  • Leia o que já foi publicado sobre José Elito Carvalho Siqueira
  •  

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Voltar ao topo da página