O que é o cargo

Fale com a
Ombudsman 


Mural 

Colunas 
Anteriores
 

FiloFolha 

Dúvidas mais 
Frequentes 


Bate-papo 

Ilusão de ótica

São Paulo, domingo, 19 de setembro de 1999


RENATA LO PRETE

A primeira das duas fotos que ilustram este texto saiu na capa da Folha de quarta-feira, logo abaixo da manchete "FHC recua de crítica ao Congresso".
Para quem já esqueceu ou nem tomou conhecimento do assunto, esse foi um dos capítulos da novela brasiliense da semana. No anterior o presidente havia tentado transferir para os parlamentares algo da impopularidade recorde que o atinge. No seguinte disse que não havia recuado.
Quando peguei o jornal naquela manhã, pensei que o ano e meio longe da edição deve estar fazendo efeito sobre mim. Certos truques me incomodam mais do que antes.
Em sintonia com o título, a imagem mostrava FHC batendo palmas e abaixando a cabeça para Antônio Carlos Magalhães.
A aparente harmonia do conjunto era desfeita pela informação da legenda: o aplauso e a flexão não eram para o presidente do Congresso, e sim para o ministro do Desenvolvimento. Alcides Tápias estava à esquerda de ACM, mas fora de quadro na Folha.
Autor da imagem, o repórter fotográfico Lula Marques explica que se concentrou em FHC e ACM porque, em razão do atrito da véspera, eram eles os personagens, e não "mais um ministro tomando posse". Até aí, estou 100% de acordo.
Defende a foto por achar que ela é a representação exata do que ocorreu na cerimônia, ainda que tenha sido batida antes do discurso em que o presidente recolheu o que havia dito.
Não vejo problema na antecedência. Nem subestimo o talento de Lula Marques, cuja sensibilidade para captar instantes da política rendeu à Folha, entre muitos trabalhos excelentes, a foto do ministro Pedro Malan com os cabelos desmanchados pelo vento, tendo à frente um FHC fora de foco, no desfile de 7 de Setembro.
Acontece que a imagem escolhida por resumir o dia sugere uma cena que não existiu. Importa pouco que a legenda "mr. M" conte como foi feita a mágica. Suas letras miúdas não têm como competir com o impacto da dobradinha manchete-foto. FHC, que bem de fato não estava, ficou um pouco pior na capa da Folha.
Ouvi colegas sobre o caso. Opiniões divididas. Os que acham que estou procurando pêlo em ovo argumentam, em resumo, que importante é o que a imagem simboliza.
Um dos que concordam comigo evoca uma foto famosa de Juscelino Kubitschek.
Ganhou o título "Me Dá um Dinheiro Aí", embora fosse de outra natureza (vide legenda acima) o pedido que o presidente brasileiro fazia ao secretário de Estado dos EUA.
A imagem que definiu o momento político e traduziu a manchete da Folha é uma ilusão de ótica. Ainda que a ilusão seja parte do fotojornalismo, a discussão sobre seus limites merece ser feita.


Leia mais
Sem pressa para corrigir


Colunas anteriores
12/09/1999 - Em outro planeta
05/09/1999 - Tendências sem debates
29/08/1999 - Tudo suposto
22/08/1999 - Como um patinho
08/08/1999 - Faltou dizer

subir


 

 


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A - Todos os direitos reservados.