Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
28/06/2004 - 04h43

Campo Grande: Imigração árabe dá sabor à cidade

da Folha de S.Paulo

Estima-se que, em 1992, cem famílias árabes viviam em Campo Grande. O número parece pequeno --a capital tem 662.534 habitantes--, mas a presença árabe é marcante e pode ser apreciada, com muito prazer, em armazéns e restaurantes. Após percorrer um pequeno roteiro gastronômico, tem-se a certeza de que Campo Grande é das Arábias.

A rua Sete de Setembro, no centro, concentra diversos desses armazéns. De quadra em quadra, ondas perfumadas de zaatar (mistura de ervas usada como tempero) anunciam os sabores a serem desvendados em cada uma das portas que contam a história dessa imigração, iniciada em 1894, quando o comerciante Amim Scafe chegou à cidade.

A Confeitaria Árabe mistura armazém com restaurante. Nas prateleiras, há diversos produtos com rótulos árabes, como tâmaras, arak e afins. Um narguilé pode ser comprado por R$ 200.

No balcão do bar, um desfile de pastas frias não é de comer com os olhos, mas, como dizem, quem vê cara não vê coração.

"Homus", "baba-ghanuji", patê de "chanclich" com tomatinhos e cebola picada, quibe cru e outras pastas frias convivem ao lado de esfihas e quibes.

O ideal é ficar nas pastas frias para fazer um pequeno lanche. Embora o serviço não seja luxuoso --os pratos são de plástico no melhor estilo piquenique--, a petisco vale a pena. Pegue um pacote de pão para acompanhar a seleção de pastas, vendidas por peso: cada 100 g custa R$ 2.

Na mesma rua fica o Baba Rum, um café cujos balcões estão recobertos de tabuleiros de doces árabes de comer de joelhos. A massa folheada é crocante, a calda, no ponto certo, e as castanhas (pistache, nozes e amêndoas), abundantes. As esfihas, vendidas em bandejas, têm massa fina, e a carne é bem temperada.

Para uma refeição propriamente dita, a pedida é ir ao Litani (rua Euclides da Cunha, 707; tel.: 0/ xx/67/324-9396) ou ao Arabian (r. Sete de Setembro, 340, tel.: 0/xx/ 67/321-6168). Para o segundo, é preciso reservar mesas. O preço do bufê de pastas é R$ 3 por 100 g.

O Litani fica na rua que pretende ser a Oscar Freire de Campo Grande. Cheia de lojas de grife e de decoração, a rua Mato Grosso é, no entanto, como todas as locais, algumas faixas mais larga do que sua musa paulistana. E achar vagas ali não é tão desafiador como na rua de São Paulo.

O bufê custa R$ 19,90 por pessoa aos domingos e tem pastas, saladas e pratos quentes. No menu à la carte, há o ótimo chich barak, capeletti de carne cozido na coalhada, que é bem-feito, mas às vezes pode vir com alho demais.

De sobremesa, não deixe de experimentar o malabie, um manjar branco com água de rosas ou de flor-de-laranjeira, coberto por um geléia de damascos, digno dos paladares de Sherazade.

Leia mais
  • Horizonte hipnotiza na capital de MS
  • Veja preços de pacotes para Campo Grande (MS)
  • Feira alimenta notívagos com yakissoba
  • Ônibus percorre 45 pontos turísticos
  • Mandioca não pode faltar na refeição local

    Especial
  • Veja o que já foi publicado sobre turismo em Mato Grosso do Sul
  •  
    Envie sua notícia

    Publicidade

    As Últimas que Você não Leu

    1.  

    Publicidade

    Livraria da Folha

    Guia Barcelona de Bicicleta

    Guia Barcelona de Bicicleta

    Andrew Edwards, Max Leonard

    Comprar
    Voodoo Lounge (CD)

    Voodoo Lounge (CD)

    The Rolling Stones

    Comprar
    Guia Itália

    Guia Itália

    Dorling Kindersley

    Comprar

    Sobre a Folha | Expediente | Fale Conosco | Mapa do Site | Ombudsman | Erramos | Atendimento ao Assinante
    ClubeFolha | PubliFolha | Banco de Dados | Datafolha | FolhaPress | Treinamento | Folha Memória | Trabalhe na Folha | Publicidade

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

    Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

    Home Theater | Tênis | Mais...