Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
16/08/2004 - 04h15

Autofagia à paulista: Passeio dominical percorre vilas paulistas

HELOISA LUPINACCI
da Folha de S.Paulo

Desde 2001, grupos de até 46 pessoas entram em um ônibus, às 14h, horário em que a maioria está se sentando à mesa para o almoço dominical, a fim de fazer, no primeiro dia da semana, um passeio por vilas de São Paulo.

Quatro horas e 15 vilas depois, a sensação é a de que a cidade prima por esconder o que sobrou de seu passado. À exceção da vila dos Ingleses, os conjuntos revelam o tratamento dado ao patrimônio histórico paulista.

O passeio foge dos moldes do city tour, que mostra locais cuidados. Apesar de todo o seu charme, muitas das vilas exibem, à primeira vista, seu lado descuidado, descaracterizado, abandonado.

"A intenção não é mostrar só coisas belas. É passear por vilas, até as degradadas, e estimular a mobilização, o carinho das pessoas pela cidade." A proposta é de Carlos Silvério, dono da agência Graffit, que faz o tour.

Silvério e o guia e estudante de história Carlos Eduardo de Castro se autodenominam Indianas Jones urbanos, caçadores de patrimônios perdidos.

A pesquisa de informações é notável: os alto-falantes do ônibus tocam sucessos das décadas da construção das vilas, o guia conta histórias do cotidiano da época e despeja informações históricas, arquitetônicas e urbanísticas a granel.

A mistura de intenção e pesquisa resulta em uma rota inusitada, da qual fazem parte trechos da cidade pelos quais cidadãos de classe média raramente transitariam.

Entre a praça da Sé e o viaduto Glicério, as vilas dos Estudantes e Suíça e a travessa Ruggero se insinuam a partir das esquinas. Ali não é permitido descer do ônibus. Questão de segurança. A mesma regra é aplicada às vilas Bueno e Santa Clara e rua Ilha das Flores, próximas à 25 de Março. Num domingo friorento, essas ruas pareciam pertencer a cidades desertas.

Os três pontos de parada são as vilas Maria Zélia, Economizadora e dos Ingleses.

A primeira é conhecida por sua origem revolucionária. Construída entre 1911 e 1916 por Jorge Street, dono da Companhia Nacional de Tecidos de Juta, para abrigar operários da fábrica, a vila revolucionou o sentido de "abrigar": tinha creche, escola, ambulatórios, farmácia, armazém, açougue e salão de festa. Hoje, sofre com a descaracterização e o abandono de alguns prédios.

A vila dos Ingleses encerra o roteiro. Decisão estratégica: bem conservada, ela injeta ânimo nos participantes do tour, que acabaram de ver os mais variados exemplos de destruição. Nessa vila, tudo está conservado. O motivo: Pierre Moreau, atual dono da vila, é bisneto do chileno Eduardo de Aguiar D'Andrada, que a construiu. Após uma fase de abandono, durante a qual o conjunto virou cortiço, Moreau o recuperou.

Hoje as casas são alugadas para empresas. A preocupação visual é tal que os escritórios não podem sequer pendurar placas.

Assim, o tour termina, por volta das oito, em uma --e quase única-- vila que teve um final feliz.

Leia mais
  • São Paulo devora-se e se descaracteriza
  • Nem tudo no roteiro é realmente bandeirante
  • Santana se mostra a Ouro Preto paulista
  • Culinária pega carona no passeio histórico
  • Casario de Santana tem diferentes técnicas de taipa
  • Restaurantes em Santana de Parnaíba
  • "Roma brasileira", Itu arrebanha Império e República
  • Hotéis na capital paulista
  • Roteiros em São Paulo
  • "Egotrip" gera patrimônio único em SP
  • Vila Maria Zélia vira palco de espetáculo
  • Esquina separa casinha caiada de casebre caído
  • Restauro da região da Luz engloba vila
  • Hereditariedade conserva vila dos Ingleses

    Especial
  • Veja galeria de fotos de São Paulo

    Especial
  • Arquivo: veja o que já foi publicado sobre turismo em São Paulo

  •  

    Sobre a Folha | Expediente | Fale Conosco | Mapa do Site | Ombudsman | Erramos | Atendimento ao Assinante
    ClubeFolha | PubliFolha | Banco de Dados | Datafolha | FolhaPress | Treinamento | Folha Memória | Trabalhe na Folha | Publicidade

    Publicidade

    Publicidade

    Publicidade


     

    Fogão Fogão Encontre o perfeito para você, a partir de R$ 256,41

    Notebook Notebook Trabalhe, estude, jogue, a partir de R$ 769,00

    Celulares | Tênis | Mais...