Saltar para o conteúdo principal

Publicidade

Publicidade

 
  Siga a Folha de S.Paulo no Twitter
20/02/2011 - 08h53

"Primeira Página" traz 223 capas com principais fatos em 90 anos da Folha

Publicidade

DE SÃO PAULO

Se a informação circula em volume e velocidade crescentes, num número cada vez mais amplo de meios, a edição e a síntese tornam-se também mais vitais.

Em meio ao caos informativo da era digital, a Publifolha lança uma nova edição de "Folha de S.Paulo - Primeira Página", livro que celebra o espaço do jornal destinado a filtrar, resumir e hierarquizar a avalanche de notícias da véspera.

Veja galeria de fotos de capas históricas
As 90 reportagens que fizeram história
Veja as reformas gráficas feitas pela Folha em seus 90 anos
Siga o caminho das notícias na era das multiplataformas
Documentário expõe relação entre quem faz e quem lê a Folha

O lançamento marca os 90 anos da Folha, completados ontem, e reúne 223 das capas mais importantes do jornal, nascido "Folha da Noite".

Coube ao colunista Vinicius Torres Freire revisar integralmente a obra, cuja edição anterior era de 2006.

Além de um novo projeto gráfico da capa (de Luciana Facchini Noleto) e da nova atualização, que vai até a eleição de Dilma Rousseff (edição de 1º.nov.2010), o livro traz primeiras páginas antigas jamais publicadas nas seis edições anteriores.

É o caso da de 20 de fevereiro de 1922, que noticia a Semana de Arte Moderna só num cartum de Belmonte.

Ou da passagem de cargo de Juscelino Kubitschek para Jânio Quadros em 1961.

Reprodução
Reprodução de capas históricas da Folha; à esq., falando sobre eleição de Obama e, à dir., sobre a eleição de Dilma
Reprodução de capas da Folha; à esquerda, falando sobre eleição de Obama e, à dir., sobre a eleição de Dilma

Como escreve na apresentação do livro o diretor de Redação da Folha, Otavio Frias Filho, "é sobretudo na Primeira Página que o jornalismo interpela a posteridade, apresentando-se como rascunho da história".

As manchetes costumam focar o fato inesperado, muitas vezes trágico, que se impõe como notícia, ou a informação que, seja pela óbvia dimensão épica ou por decisão editorial, flerta com a chamada "grande história".

Assim, entre as capas recentes, surgem a crise global de 2008, os acidentes da Gol (2006) e da TAM (2007) e as eleições de Obama (2008) e de Dilma (2010).

Mas, aponta Torres Freire, aparece também "um fato que passou meio despercebido, mas que o jornal registrou [em manchete] e foi muito importante no sucesso do governo Lula: a dívida externa acabou em 2008".

Na avaliação do editor da Publifolha, Alcino Leite Neto, um passeio pelo livro revela a evolução de um Brasil pré-moderno, que aos poucos vai ganhando protagonismo. "Percebe-se, no andamento das notícias, a desprovincianização do país."

Ainda assim, há acontecimentos que, mesmo de relevância incontestável, não são captados pontualmente nas capas, caso da ascensão da China, para Torres Freire "provavelmente o fato político e econômico mais importante dos últimos dez anos".

"Não tem uma primeira página com a China, desse ponto de vista, e talvez seja impossível haver. Mas não é um livro de história. É uma espécie de álbum de fotografias de memórias selecionadas do que o jornalismo pode ou não fazer, com seus acertos, erros e deficiências."

 

As Últimas que Você não Leu

  1.  

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página