São Paulo, #!L#Sábado, 05 de Fevereiro de 2000


Envie esta notícia por e-mail para
assinantes do UOL ou da Folha
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

CASSAÇÃO
Senador vai retardar processo de Estevão

da Sucursal de Brasília

O presidente da Comissão de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, senador Ramez Tebet (PMDB-MS), vai acatar a orientação do seu partido e retardar, ao máximo, a tramitação do pedido de cassação do senador Luiz Estevão (PMDB-DF).
Tebet, que recebeu o requerimento pedindo a cassação na terça-feira, trabalha com duas hipóteses: devolver o pedido à Mesa do Senado ou paralisar seu andamento até que o Supremo Tribunal Federal se pronuncie, o que acontecerá em até 60 dias.
Estevão é acusado de ter quebrado o decoro parlamentar durante os trabalhos da CPI do Judiciário, que investigou as relações de suas empresas com o Grupo Monteiro de Barros -responsável pela construção do Fórum trabalhista de São Paulo, obra que causou prejuízo de R$ 169 milhões aos cofres públicos.
No PMDB, um dos principais defensores de Estevão é o senador Jader Barbalho (PA), presidente nacional do partido e líder da legenda no Senado. Durante reunião da bancada, na quarta-feira, Jader chegou a sugerir que o processo fosse arquivado por Tebet ainda no conselho, mas o senador se recusou a adotar essa medida.
Se decidir devolver o pedido de cassação à Mesa do Senado, Tebet irá questionar a razão de não ter sido seguida a orientação dada pela advogada-geral da Casa, Josefina Pinha, para que o processo ficasse na corregedoria até que o STF se pronunciasse sobre o caso.
Tebet também pretende questionar o corregedor do Senado, Romeu Tuma (PFL-SP), que despachou o processo para o Conselho de Ética sem emitir nenhuma opinião sobre a questão.
A remessa para o conselho foi determinada pelo presidente do Senado, Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA). Tebet avalia que ACM quis poupar a Mesa do Senado de emitir uma opinião sobre o mérito da questão.
O presidente do conselho de ética não está disposto a assumir todo o ônus político da decisão de arquivar ou dar prosseguimento ao processo. Por isso, quer "dividir a bola" com a Mesa do Senado e com a corregedoria. Uma decisão já foi tomada por Tebet: a tramitação do processo só começa após a convocação extraordinária, que dura até o próximo dia 14.


Texto Anterior: Eleições: PSB oficializa nome de Erundina em SP
Próximo Texto: Nordeste: Governo libera R$ 128 mi para a seca
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.