São Paulo, segunda-feira, 06 de março de 2006

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

ENTREVISTA DA 2 - TELMA WEISZ e FERNANDO CAPOVILLA

Decisão do MEC de rever os métodos de alfabetização abre um forte debate entre as duas correntes

Construtivismo x Método Fônico

ANTÔNIO GOIS
DA SUCURSAL DO RIO

A decisão do Ministério da Educação de rever os métodos de alfabetização propostos nos PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais) reavivou um debate que opõe, de maneira ferrenha, construtivistas e defensores do método fônico. Os PCNs orientam o trabalho do professor. Os atuais foram feitos em 1997, sob influência do construtivismo.
O método fônico baseia-se no aprendizado da associação entre fonemas e grafemas (sons e letras) e usa textos produzidos especificamente para a alfabetização. O construtivismo não prioriza essa associação e trabalha com textos que já façam parte do universo infantil.
Veja trechos das entrevistas do professor do Instituto de Psicologia da USP Fernando Capovilla, defensor do método fônico, e da educadora Telma Weisz, adepta do construtivismo, à Folha:


Texto Anterior: Toda mídia - Nelson de Sá: Esticar a corda
Próximo Texto: "Modelo é eficaz para fortalecer o raciocínio"
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.