São Paulo, sábado, 12 de abril de 2008

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

CNBB anuncia apoio a políticas anti-Aids

Documento, porém, não detalha medidas nem menciona uso de preservativo, que sempre foi criticado pela Igreja Católica

Texto, ainda não divulgado oficialmente, reúne quais diretrizes vão nortear igreja no país até 2010 e também aborda ecologia e economia

MAURÍCIO SIMIONATO
DA AGÊNCIA FOLHA, EM INDAIATUBA (SP)

Documento da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil) intitulado "Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil", que norteará os rumos da Igreja Católica no país até 2010, acena pela primeira vez com a possibilidade de a igreja apoiar "políticas governamentais" de combate à Aids, mas sem detalhar essas medidas.
O governo federal tem na campanha pelo uso de preservativos uma de suas políticas de prevenção contra a Aids e doenças sexualmente transmissíveis.
No texto da CNBB, os bispos não usam a palavra preservativo. A Igreja Católica sempre foi contrária ao uso de preservativos pelos fiéis.
No tópico intitulado "A pessoa, a pobreza, a exclusão e as ameaças à vida", a CNBB afirma que "a Pastoral da Aids se realiza em cinco direções: prevenção, intervenção, recuperação, ressocialização, acompanhamento e apoio das políticas governamentais para combater esta pandemia [Aids]".
O tópico cita ainda que a "prevenção, baseada em critérios éticos e cristãos, deve implementar a informação, promover a educação e levar a assumir atitudes responsáveis diante da epidemia".
A Folha obteve uma cópia do documento, que tem um total de 60 páginas e não foi divulgado pela entidade.
O texto aborda também outros assuntos, como a situação econômica brasileira atual e ecologia. Foi aprovado pelos bispos durante a 46ª Assembléia Geral da CNBB, em Indaiatuba (SP), encerrada na manhã de ontem.
Quando a reportagem obteve a cópia do texto, a direção da CNBB já havia concedido entrevista sem abordar o tema.
Durante a tarde, os bispos que dirigem a entidade estavam em trânsito e não foram localizados.
Segundo a CNBB, por meio de sua assessoria de imprensa, o documento ainda passará por revisão ortográfica antes de ser encaminhado para publicação em editoras católicas.

"Brecha"
Para o secretário-executivo da Pastoral DST/Aids da CNBB, frei José Bernardi, o texto abre uma "brecha" para que agentes da pastoral possam indicar o uso de preservativos em certos casos.
"Eu acho que é uma brecha que foi deixada de forma até voluntária pelos bispos, embora não afirmem explicitamente. Os agentes da pastoral, que trabalham lá na ponta com a epidemia, com pessoas vivendo com Aids, de repente podem ter essa liberdade [de indicar o uso do preservativo]", disse.
De acordo com ele, há situações "em que não há outro jeito" a não ser aconselhar o uso da camisinha. "Para ser a favor da vida, às vezes você tem que se valer dos próprios métodos da ciência e do desenvolvimento tecnológico, como nos casos de profissionais do sexo, de casais em que um é portador do vírus HIV e em presídios, por exemplo", disse.
O secretário-executivo disse ainda que "tanto igreja como governo estão do mesmo lado". "Nós nos comprometemos a fazer o enfrentamento da epidemia. A igreja também quer colaborar com o governo para controlá-la."


Texto Anterior: PF vai investigar fantasma que emitiu notas ao PSDB
Próximo Texto: Roraima: PF vai instalar bases dentro de terra indígena
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.