São Paulo, quinta, 25 de setembro de 1997.



Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Evento terá representantes de 135 países
Assembléia de Deus faz congresso em SP

CLÁUDIA TREVISAN
da Reportagem Local

A Assembléia de Deus, maior igreja evangélica do país, realiza a partir de hoje em São Paulo o seu segundo congresso mundial, com a participação de representantes de 135 países.
O primeiro congresso foi realizado há dois anos na Coréia.
O evento ocorre no momento em que a Assembléia de Deus tenta reagir de forma mais intensa à concorrência de outras igrejas pentecostais, como a Universal do Reino de Deus.
Segundo o sociólogo Ricardo Mariano, que se dedica ao estudo das igrejas evangélicas, a Assembléia de Deus no Brasil tem crescido nos últimos anos em ritmo inferior ao da maioria dos grupos pentecostais.
Para enfrentar essa situação, a igreja acabou abandonando resistências históricas, entre elas a recusa em utilizar a TV como instrumento de pregação religiosa. No ano passado, diz Mariano, a Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil estreou o seu primeiro programa de televisão.
Maior igreja
A Assembléia de Deus é o segundo mais antigo grupo pentecostal do país (veja quadro acima). Mariano estima que a igreja tem pouco mais de 3 milhões de seguidores.
Esse número é baseado no censo de 91, segundo o qual a Assembléia de Deus tinha 2,4 milhões de fiéis. Mariano aplica sobre esse número o percentual médio de crescimento das igrejas evangélicas, de 5% ao ano e chega aos 3 milhões.
O tema do congresso será "Pentecostes até os Confins da Terra". Um de seus objetivos, segundo a igreja, será traçar metas de evangelização em todo o mundo. A Assembléia de Deus tem missionários e igrejas em diversos países.
O congresso será aberto às 19h de hoje no ginásio do Ibirapuera. O encerramento ocorre no domingo, às 17h, no Campo de Marte, com a provável participação do presidente Fernando Henrique Cardoso.
O STJ (Superior Tribunal de Justiça) assegurou ontem a realização do congresso no Campo de Marte. Na semana passada, o ministro Humberto Gomes de Barros, do próprio STJ, havia concedido liminar pedida pelo Aeroclube de São Paulo contra a liberação do local para a realização do encontro.
Por 4 votos a 3, a primeira seção do STJ cassou ontem a liminar, a pedido da Convenção Geral das Assembléias de Deus.
Pesou nessa decisão o fato de o aeroporto Campo de Marte ter sido usado pelos católicos durante a visita do papa João Paulo 2 ao Brasil, em 1980.


Colaborou a Sucursal de Brasília


Texto Anterior | Próximo Texto | Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.