Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Carreiras e Empregos

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

'Não vamos conseguir manter o ritmo das máquinas', diz autor

Para italiano, profissionais devem aprender a viver sem emprego

FELIPE MAIA DE SÃO PAULO

"Você está prestes a se tornar obsoleto." É o que diz o italiano Federico Pistono, 26, na introdução do seu livro "Robots Will Steal Your Job, But That's OK: How to Survive the Economic Collapse and Be Happy" (robôs vão roubar seu emprego, mas tudo bem: como sobreviver ao colapso econômico e ser feliz).

Ele tenta mostrar que a inteligência artificial fará com que parte da população não tenha trabalho no futuro.

Pistono é formado em ciência da computação pela Universidade de Verona e graduado pela Singularity University, instituição que fica em um centro da Nasa na Califórnia e tem o objetivo de formar "líderes que querem desenvolver soluções inovadoras para desafios globais".

-

Folha - Antes as pessoas trabalhavam no campo, depois em fábricas e, hoje, na frente do computador, mas sempre se adaptaram. Por que seria diferente agora?
Federico Pistono - A tecnologia avança tão rápido que não poderemos nos adaptar. O avanço é exponencial e nós pensamos de modo linear. Não vamos conseguir manter o mesmo ritmo das máquinas. E por que deveríamos lutar contra isso? Podemos usar a tecnologia para melhorar nossas vidas em vez de lutar contra ela para manter empregos.

Como viver sem um emprego?
Usando a tecnologia, você pode obter energia, usando o sol ou o vento, capturar e tratar a água e cultivar comida. Isso pode reduzir nossa dependência de dinheiro.

A tecnologia, como a internet móvel, não faz com que a gente trabalhe mais?
Em muitos aspectos, usamos a tecnologia para nos machucar, para trabalharmos mais e termos menos tempo livre. Deveríamos parar. O futuro pode ser devastador, ou pode ser maravilhoso, se mudarmos nossa mentalidade.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página