São Paulo, quinta-feira, 19 de novembro de 2009

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

"Ambiente não é desculpa para impor controle de natalidade"

DO ENVIADO AO MÉXICO

Para o autor principal do relatório do UNFPA, Robert Engelman, é impossível determinar um limite do número de habitantes do planeta que garanta sua sustentabilidade, mas ignorar o efeito do crescimento populacional é um erro. Engelman, vice-presidente da ONG de pesquisa Worldwatch Institute, conversou com jornalistas durante um seminário na cidade do México.

 

FOLHA - Relacionar o crescimento populacional ao aquecimento global não dá margem para que o discurso de controle da natalidade volte agora com roupagem ecológica?
ROBERT ENGELMAN
- Talvez. Mas já há quem pense que o aquecimento global é causado unicamente pelo aumento da população. Se nós, que defendemos direitos humanos, não falarmos, outros vão falar e defenderão o controle da natalidade. É óbvio que há vínculos entre o crescimento da população e os problemas do meio ambiente. O desafio é entender a complexidade dessa relação. Há vários fatores a serem considerados, como os padrões de consumo, usos de tecnologia, políticas públicas e, claro, população.

FOLHA - Há um número ideal de habitantes do planeta?
ENGELMAN
- Acho impossível saber, e não vale a pena discutir. Talvez já o tenhamos ultrapassado. O que faríamos nesse caso? Vamos controlar a reprodução? Vamos matar pessoas?

FOLHA - O Brasil adotou uma meta voluntária de corte nas emissões de CO2. Isso ajudará um acordo global?
ENGELMAN
- É melhor do que nada, mas não é suficiente. Se todas as nações apresentarem metas voluntárias, o que teremos será um conjunto de promessas de cada país, e não um instrumento comum, que produza resultados imediatos.


Texto Anterior: População menor reduz emissão global em até 24%
Próximo Texto: Empresa genômica pioneira pede falência
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.