São Paulo, #!L#Sábado, 05 de Fevereiro de 2000


Envie esta notícia por e-mail para
assinantes do UOL ou da Folha
Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

Para vítima, tem de parar a fiscalização

da Reportagem Local

O auxiliar de escritório Nilton de Lima Carvalho, 24, que sobreviveu ao acidente com a lotação clandestina, afirma que o perueiro Thomaz Edson Munhoz Martins estava sendo perseguido por uma kombi branca da SPTrans e dois carros pretos da GCM.
"Assim que ele viu os fiscais, ele entrou na rota alternativa e começou a acelerar. Olhei para trás e tinha uma kombi branca da SPTrans e dois carros da Ronda vindo", disse Carvalho.
Segundo o auxiliar de escritório, as passageiras entraram em pânico. "A maioria era mulher e elas começaram a gritar", disse a vítima, que sofreu um corte profundo no lábio superior e vários hematomas na cabeça.
Ele criticou a fiscalização. "Ao perseguirem quem está trabalhando, eles estão colocando a vida de outros em risco. Tinha gente que morreu que tinha filhos pequenos. E agora? Se pararem com essa frescura de fiscalização, andar de lotação é seguro."



Texto Anterior: Guarda nega perseguição e diz que perueiro se desesperou
Próximo Texto: Pitta quer Exército contra perueiros
Índice


Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Agência Folha.