Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Cotidiano

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

País se divide sobre uso de médico estrangeiro

Proposta do governo federal de trazer profissionais de saúde de fora do Brasil tem apoio de 47% e rejeição de 48%

Pesquisa Datafolha também mostra que 56% dos entrevistados apoiam recursos do petróleo na educação

DE SÃO PAULO

O projeto de trazer médicos estrangeiros ao Brasil para atuar em regiões carentes de profissionais de saúde divide a opinião dos brasileiros.

Pesquisa Datafolha revela que 47% são favoráveis, e 48%, contrários à principal medida para melhorar área da saúde reforçada pela presidente Dilma Rousseff após a onda de protestos pelo país.

A aprovação ao projeto é maior entre os mais jovens (51%), entre os menos escolarizados (56%), entre os mais pobres (54%) e entre os moradores do Nordeste (56%).

Quanto maior o grau de escolaridade e a renda familiar mensal do entrevistado, menor é o apoio à contratação de médicos estrangeiros.

Entre os menos escolarizados (com ensino fundamental), a rejeição à proposta é de 38%, passa a 51%, entre os entrevistados com escolaridade média (ensino médio), e chega a 66%, entre os mais escolarizados (ensino superior).

Tendência semelhante é observada por segmento de renda. Entre os mais pobres (com renda familiar mensal de até dois salários mínimos), a rejeição é de 41%, vai a 52% entre os que ganham de dois a cinco salários mínimos e chega a 62%, entre os que têm renda de cinco a dez salários mínimos.

No levantamento, feito nos dias 27 e 28 de junho, foram ouvidas 4.717 pessoas em 196 municípios brasileiros. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

EDUCAÇÃO

A pesquisa também quis saber se os brasileiros concordam com o destino dos impostos pagos pelas empresas de petróleo para o setor da educação. O resultado mostra que 56% apoiam a medida.

Na semana passada, pressionada pelos protestos que tomaram as ruas, a Câmara aprovou o projeto que destina para a educação 75% das receitas com royalties dos novos campos de petróleo (os 25% restantes vão para a saúde).

O índice dos que aprovam a transferência do dinheiro para a educação, segundo o levantamento do Datafolha, é maior entre os mais os mais jovens (61%), entre os moradores do Nordeste (63%), entre os que vivem nas capitais (65%) e entre os mais escolarizados e mais ricos (66%, cada um).

Já 40% consideram que esses impostos não deveriam ter um destino especifico, cabendo aos governantes decidir livremente onde investir.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página