Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Cotidiano

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

ilustrada em cima da hora

John Neschling assume Theatro Municipal

Demitido da Osesp há quatro anos, regente volta a trabalhar com o PT após desentendimentos com o PSDB

Maestro foi responsável pela transformação da Osesp no paradigma brasileiro de qualidade na música erudita

IRINEU FRANCO PERPETUO COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O maestro carioca John Neschling, 65, vai comandar o Teatro Municipal de São Paulo. Apadrinhado pelo candidato derrotado à prefeitura pelo PMDB, Gabriel Chalita, o nome de Neschling recebeu o aval do prefeito, Fernando Haddad (PT), e do secretário municipal de Cultura, Juca Ferreira.

Em 2010, quando era ministro da Cultura, Juca deu apoio à Companhia Brasileira de Ópera, iniciativa de Neschling que percorreu o país com a ópera "O Barbeiro de Sevilha", de Rossini.

Atualmente ele mora na Suíça e não dirige nenhuma orquestra.

PT E PSDB

Neschling trabalhou no Municipal em 1989 e 1990, durante a gestão petista de Luiza Erundina.

Mas sua grande marca na vida musical da cidade ocorreu entre 1997 a 2009, levando a cabo um vigoroso programa de reformulação que, com apoio político e financeiro de sucessivos governos estaduais tucanos, estabeleceu a Osesp como principal orquestra do país.

Durante a gestão de José Serra (PSDB) no governo do Estado, contudo, começou a fritura de Neschling, demitido da orquestra em janeiro de 2009, depois de uma entrevista na qual criticava a Fundação Osesp.

Em agosto de 2012, ele retornou à Sala São Paulo para reger um concerto da Orquestra Suíça Italiana. O público recebeu-o com prolongadas ovações e gritos de "volta".

Neschling retorna à cidade no momento em que a sinfônica que projetou internacionalmente passa por um momento de crise.

Músicos da Osesp estão em conflito com o diretor artístico Arthur Nestrovski desde novembro, quando a revista "Veja São Paulo" publicou uma matéria chamando-o de "motor da orquestra".

Não se sabe quanto Neschling, que recebia em torno de R$ 100 mil mensais da Osesp, vai ganhar para dirigir o teatro. Procurado, o maestro não foi encontrado para comentar a nomeação.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página