Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Cotidiano

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Favela está 'superligada' à internet, diz estudo

No Rio, 90% dos jovens de cinco áreas de baixa renda acessam a rede

Usuários priorizam redes sociais como o Facebook, mostra levantamento feito com 2.000 entrevistas

FABIO BRISOLLA DO RIO

Nove entre dez moradores de favelas cariocas, com menos de 30 anos, acessam a internet. A maioria utiliza o computador de sua própria casa. Quando conectados, os usuários priorizam redes sociais, como o Facebook.

As constatações citadas integram uma pesquisa com residentes, entre 15 a 29 anos, de cinco áreas de baixa renda: Rocinha (zona sul), Cidade de Deus (zona oeste), Manguinhos e os complexos do Alemão e da Penha (zona norte).

O levantamento, baseado em 2.000 entrevistas, foi produzido entre os dias 17 e 22 de dezembro de 2012 para o projeto Solos Culturais, uma parceria da Secretaria Estadual de Cultura com a ONG Observatório das Favelas.

Segundo os pesquisadores, a adesão à internet dessa parcela da população sinaliza mudanças.

"O cidadão invisível na rua aos olhos da sociedade consegue ser reconhecido em redes sociais como o Facebook. O excluído está alçando virtualmente sua visibilidade. Isso é uma revolução no imaginário da cidade", avalia Jorge Luiz Barbosa, professor do Departamento de Geografia da UFF (Universidade Federal Fluminense) e diretor do Observatório das Favelas.

Ele acredita que a internet pode estabelecer laços até então pouco explorados.

"O garoto da favela posta um vídeo com passos de funk no YouTube que acaba sendo visto pelo menino do condomínio de luxo. Esses cruzamentos culturais permitem a esperança em uma sociedade mais generosa com suas diferenças", diz Barbosa.

MEMÓRIA ARMAZENADA

Além de marcar presença em redes sociais, os internautas entrevistados afirmam que costumam armazenar sons, fotos e vídeos.

Essa coleção pessoal criada por cada usuário é citada também como algo inédito.

"Antes, uma pessoa de classe baixa não tinha condições de comprar uma máquina fotográfica. Hoje, qualquer celular tira foto, o que possibilita a construção de uma memória que por muitas gerações não existiu", avalia o diretor do Observatório das Favelas.

O levantamento mostrou ainda que o complexo do Alemão registrou o maior número de usuários habituados a baixar músicas: 85,2% dos internautas da região.

"Essas pessoas passaram a ter acesso a bens culturais simbólicos, como é o caso da música. Por isso, elas começam a construir seu próprio acervo de informação", diz Gilberto Vieira, produtor executivo do projeto.

O conjunto de favelas da Penha atingiu o índice mais alto de usuários do Facebook, com a participação de 93,42% do total de entrevistados com acesso à rede.

O uso da internet como ferramenta para os estudos também chamou a atenção.

No complexo da Penha, em cada grupo de dez internautas, sete afirmaram recorrer às ferramentas de buscas virtuais para realizar trabalhos escolares.

A pesquisa realizada nas favelas cariocas vai resultar no livro "Solos Culturais", que deve ser lançado até o final deste mês.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Fogão Fogão De diversas marcas a partir de R$ 358,20

Notebook Notebook Windows 8, LED, Intel" Core a partir de R$ 799,00

Home Theater | Tênis | Mais...

Voltar ao topo da página