São Paulo, quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Texto Anterior | Próximo Texto | Índice

MÍDIA

Pelos canais globais de notícias, "mar de caras felizes" é retrato de cerimônia

NELSON DE SÁ
COLUNISTA DA FOLHA

O site Valley Wag postou mensagens de Twitter logo após o meio-dia, 15h em Brasília, saudando o novo presidente com registros tipo "voam F18 entre as nuvens vagas". Era o Twitter "congratulando-se a si mesmo por ter ajudado" na vitória de Obama.
Mas a estrela da transmissão, como atestaram os sites Huffington Post e também Blue Bus, foi novamente a CNN. O canal de notícias quebrou seu próprio recorde em "stream", transmissão ao vivo pela internet. Contra 5,3 milhões de acessos no dia da eleição, foram 18,8 milhões ontem, até as 13h de Washington.
A audiência "global" da CNN, por internet ou acesso tradicional, não viu maiores inovações tecnológicas, desta vez. A principal aposta foi uma imagem gigante e detalhada de satélite dos milhões de presentes no National Mall, diante do juramento de Obama, em acordo do canal com a Geoeye.
No mais, cenas do chão do "mar de caras felizes", até com bandeira brasileira, e amplo destaque para James Carville e Paul Begala, ex-marqueteiros de Bill Clinton tornados comentaristas da CNN.
A Fox News, que também tem transmissão tradicional no Brasil, via TV paga, seguia linha oposta, com republicanos tornados comentaristas.
O canal mais crítico dos Bush e dos Clinton e mais próximo a Obama, o MSNBC, só pode ser acessado no Brasil em "stream", pela internet. A conexão de ontem era de boa qualidade e, ao contrário da CNN, sem fila de espera.
Como sublinhou o site Politico, por outro lado, também na MSNBC do âncora Keith Olbermann o tom mudou, trocando festa por sobriedade, por algum tempo ao menos, depois das convulsões do senador Edward Kennedy.
Por aqui, os três canais de notícias mostraram a posse ao vivo, com a Globo News priorizando análise de um só lado do debate diplomático brasileiro -e a Record News com tradução simultânea, como na cerimônia do Oscar.
Nas redes abertas, TV Brasil, SBT, Globo, Record, Rede TV!, Gazeta e Band deram plantão. A Cultura não.
Não foi possível acompanhar a televisão aberta americana, mas até a noite as redes CBS e NBC ainda pressionavam a ABC para liberar a transmissão da "primeira dança" de Barack e Michelle Obama, do baile oficial, às concorrentes.


Texto Anterior: Frase
Próximo Texto: Repercussão
Índice



Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita da Folhapress.