Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

Tetra mais perto

O Santos torceu para o Corinthians mesmo sabendo que o rival é melhor que o São Paulo

NENHUM SANTISTA admitirá, mas é claro que o rival melhor para quem quer ser tetracampeão paulista, o adversário ideal na decisão, é o que saiu do péssimo jogo do Morumbi: o Corinthians.

Mas como, o campeão da Libertadores, o campeão mundial no ano passado?

Sim, em primeiro lugar, do ano passado --e qualquer semelhança com o Corinthians deste ano será coincidência.

Em segundo, o Santos ficou com o gosto amargo de ter sido eliminado por ele na Libertadores passada.

Finalmente, e mais importante, o São Paulo muito provavelmente decidiria o Campeonato Paulista apenas com este objetivo --para curar a ferida da iminente eliminação na Libertadores pelo Galo. Mais: jogaria em casa o segundo jogo.

Já o Corinthians não só não terá tal vantagem como, dois dias depois da primeira partida decisiva, terá o Boca Juniors pela frente.

No horrível 0 a 0 (mais um nos clássicos!) do Morumbi com menos de 30 mil pagantes (com 60 mil ingressos à venda), ficou patente a inapetência alvinegra, com o time querendo sem querer, mesmo com o golpe sofrido pelo rival ao perder Osvaldo nem bem o jogo começara.

Claro que numa hora dessas de decisão, frente a frente os dois adversários que fazem o clássico mais antigo de São Paulo, tudo que o jornalista gostaria de fazer seria exaltá-lo. Mas como?

Mogi Mirim e Santos também fizeram uma semifinal abaixo da crítica, embora melhor que o jogo do Morumbi. Por muito pouco, mas por muito pouco mesmo, a vaga não ficou com o time do interior. Não seria nada demais se fosse um time interessante. Só que, desculpe, não é.

Como não estão interessantes nem o Santos nem o Corinthians e, paradoxo dos paradoxos, mais interessante que ambos está exatamente o São Paulo, com a volta do futebol de Paulo Henrique Ganso, castigado com a perda de um pênalti miseravelmente batido.

A bola que o tricolor jogou, até o trombadão Lúcio fazer o que fez contra o Galo, realmente impressionou.

Está é faltando sorte porque, no jogo da última quinta-feira, o São Paulo perdeu Aloísio e seu substituto, Ademílson, desperdiçou nada menos que quatro chances de gol, dois deles verdadeiramente imperdíveis. Como miséria pouca é bobagem, nesta quarta-feira o time, em cacos, pega o Galo em ponto de bala.

Voltando ao nosso Estadual, o Santos está mais perto do tetracampeonato inédito no profissionalismo do que o Corinthians de seu 27º título, que, se vier, aumentará para cinco sua vantagem sobre o Palmeiras, que é quem está mais perto dele.

De tudo, impressionante mesmo é a marca de Neymar, que desde que começou a vestir a camisa santista jamais ficou de fora de uma decisão estadual. Ganhou três e decidirá pela quinta vez.

Tomara que haja futebol nas finais.

Nada autoriza a imaginar que assim será.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página