Saltar para o conteúdo principal Saltar para o menu
 
 

Lista de textos do jornal de hoje Navegue por editoria

Esporte

  • Tamanho da Letra  
  • Comunicar Erros  
  • Imprimir  

Juca Kfouri

Que venham todas

Argentina e Itália garantidas. Faltam ainda cinco seleções campeãs mundiais na Copa do Brasil

RESTABELECIDA A CONFIANÇA na seleção, não há o que temer: o melhor que pode acontecer para a Copa no Brasil é a presença dos oito países que compõem o fechado clube dos oito campeões mundiais.

Com o pé nas costas, a bicampeã Argentina de Lionel Messi se classificou com antecedência.

A Itália, que é tetra, também, sem tanta facilidade, e os pentacampeões brasileiros estão garantidos por serem os anfitriões.

Só uma catástrofe impedirá a vinda dos tricampeões alemães, com o que temos a metade assegurada e, quase certamente, a Espanha, com a vaga mais que encaminhada.

Como a França deu o azar de cair no grupo da Espanha, aos tricolores está reservada a luta por vaga na repescagem, roteiro que os franceses conhecem e que trilharam, para chegar à África do Sul, eliminando a Irlanda com um gol irregular, depois de mão na bola de Henry e gol de Gallas, na prorrogação.

A Inglaterra ainda depende só de seus resultados e com os dois duros jogos que lhe restam em casa.

Resta o Uruguai, candidato a jogar nova repescagem, agora contra a Jordânia, embora possa se safar do incômodo, apesar de enfrentar o candidatíssimo Equador, em Quito, e a Argentina, em Montevidéu.

É engraçado o que se ouve de torcedores brasileiros, divididos entre não querer uruguaios por aqui outra vez, por causa de 1950, e os que, ao contrário, querem revanche.

Ambos estão equivocados.

Revanche, à altura, só haverá se no estádio Centenário e na decisão de outra Copa, quem sabe em 2050.

Claro que uma eventual decisão com eles, no Maracanã, terá sabor especial, mas, convenhamos, vingança não será, será apenas cumprir com a obrigação que o ufanismo impediu então.

Por ora, o melhor será tê-los aqui, como os demais campeões, porque uma Copa sem um de seus vencedores fica menor, como ficará o Mundial de basquete sem o Brasil.

Além do mais, bem sabemos como tem gosto diferente ganhar a taça ao derrotar um gigante, como foi em 1970 e 1994, contra a Itália, e em 2002, contra a Alemanha.

Nada contra a Suécia, derrotada em 1958, ou contra a velha Tchecoslováquia, o rival de 1962. Mas vimos agora, na Copa das Confederações, como foi bom vencer o Uruguai na semifinal e a Espanha, depois.

Provavelmente se alguém perguntar ao Felipão o que ele acha disso tudo sua resposta será pragmática, nada romântica. "França, Inglaterra, Uruguai, quero que se danem, que venham as Jordânias e que tais" dirá nada diplomático.

Ele quer ganhar. Há quem queira também desfrutar.

A CBF INFORMA

Substituição na construtora de sua nova sede, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro: sai a Sig Engenharia, carioca, entra uma paulista, a Lampur.


Publicidade

Publicidade

Publicidade


 

Voltar ao topo da página